Janeiro tem aumento de 300% na procura por testes de covid-19 na Bahia

salvador
07.01.2022, 05:30:00
(Paula Fróes/Correio)

Janeiro tem aumento de 300% na procura por testes de covid-19 na Bahia

Fornecedores de teste de covid-19 e gripe se desdobram para atender demanda

O ano nem bem começou e janeiro já registra um aumento significativo na busca por testes de detecção da covid-19. De acordo com o laboratório Sabin, houve um aumento de 300% na procura por esse tipo de exame nos quatro primeiros dias do mês na Bahia, em comparação com o mesmo período do ano passado. Com o aumento da demanda tanto para testagem da covid-19 quanto da gripe, os fornecedores já sentem a pressão para atender os pedidos. Na saúde pública também há uma busca maior por interessados em confirmar o diagnóstico. No Bonfim, nesta quinta-feira (06), 83 pessoas testaram positivo (veja abaixo).

A diretora-médica do Laboratório LPC, Daniela Lima, observou um aumento de 77% na procura pelos testes para a covid-19 ainda em dezembro de 2021, em relação ao mesmo período de novembro. Já nos primeiros dias desse ano, o aumento chegou a 100%. "Os primeiros cinco dias de janeiro foram bem intensos, estamos realizando diariamente o dobro dos testes que fizemos por dia em dezembro”, acrescenta.

Em meio ao avanço da variante ômicron do coronavírus e da cepa H3N2 do influenza, apenas na rede Drogaria São Paulo, em Salvador, entre o primeiro e o quarto dia de janeiro, foi registrado um aumento de 191% na procura por testes nas unidades da farmácia. Já nas vendas, o aumento foi de 293%. Em dezembro, enquanto muitas pessoas se preparavam para passar as festas de final de ano com familiares e amigos, nos meses de novembro e dezembro, o aumento foi de 11%, ainda segundo dados da rede. 

Dois em um

Na Drogaria Pague Menos, em Itapuã, a realização de testes de covid foi 100% maior nos seis primeiros dias desse mês, se comparado com todo o mês de dezembro de 2021. Segundo a farmacêutica da unidade, Beatrice Almeida, “a procura estava sendo frequente e teve uma queda. Agora, com esse novo aumento, o que tem sido muito visível é a diferença nos sintomas. As pessoas vêm com sintomas de gripe, mas não sabem se é covid ou influenza, então a gente realiza o teste que identifica os dois vírus em uma única amostra, porque a demanda aumentou muito”, explica Beatrice. 

Nesta quinta-feira (06), a farmacêutica contou que realizou 15 testes duplos até às 17h, dos quais 11 deram positivo para a Influenza. Diferente de alguns dias de dezembro que, como ela conta, não houve nenhuma procura. Enquanto a reportagem estava no local, mais duas pessoas entraram na farmácia procurando por um teste de covid, mas o horário de atendimento para a realização do exame já havia sido encerrado. Quanto à idade dos que buscam pelo teste, Beatrice contou que a maioria dos exames realizados por ela nesses primeiros seis dias de janeiro de 2022, corresponderam a faixa etária de 20 a 35 anos. 

Apesar de não apresentar sintomas, Guilherme Hohenfeld teve contato com pessoas que testaram positivo para a covid-19. Na quarta-feira (5), ele foi em busca de farmácias que realizassem o teste, mas enfrentou dificuldades. Morador do Imbuí, só conseguiu marcar um exame em uma unidade da Pague Menos em Itapuã. 

“Fui numa farmácia aqui do meu bairro primeiro, porque eles não estavam atendendo o telefone. Disseram que estava cheio e que só poderia marcar para amanhã [hoje] e pelo site. Voltei para casa para tentar outra unidade que fizesse o teste ainda hoje [ontem]. Na Drogasil não achei nenhum dia para fazer o teste e, na Pague Menos, a mais perto foi em Itapuã e só pela tarde”, conta o jovem. 

Para piorar a situação, quando Guilherme chegou no horário marcado, às 13:30, para realizar o teste, foi informado de que a testagem só começaria às 15 horas.
Em janeiro do ano passado, a prefeitura de Salvador anunciou que 21 farmácias estavam autorizadas pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) a realizar os testes em Salvador. Se antes, os exames poderiam ser feitos em três farmácias da Drogasil, hoje somente a unidade da Graça realiza o exame, por ordem de chegada. Segundo a Drogaria São Paulo, sete unidades realizam o exame, mas é necessário fazer um agendamento no site. 

Luís Mocellin, 23, passou a virada do ano em Itacaré, no sul do Estado, e conta que teve contato com muitas pessoas durante a viagem: “Estava muito movimentado, a vila de noite ficava muito cheia e todo mundo sem usar máscara”. No domingo (2), à noite, o engenheiro começou a apresentar sintomas gripais, como dor de garganta e febre. 

Na dúvida se estava infectado com covid-19 ou não, o rapaz marcou para fazer o teste na farmácia Pague Menos, na Avenida Paralela, por volta de 21 horas. Luís afirma que, no site da própria farmácia é indicado que os doentes façam o teste de antígeno oral quando estão entre o primeiro e o sétimo dia de sintomas. 

“Quando eu cheguei lá o teste tinha acabado e eles não tinham previsão de quando voltariam a ter. Como eu ainda não estava no terceiro dia de sintomas, não achei ideal fazer o nasal, então não fiz”. Sem saber com o que estava, o jovem voltou para a casa dos pais onde mora, onde tentou se manter isolado.

Na quarta-feira (05), quando completaram-se três dias de sintomas, Luís voltou na mesma farmácia e fez o teste de antígeno nasal. O outro, indicado para os dias iniciais de sintomas, ainda estava em falta. O resultado? Positivo. “Agora vou voltar a me isolar, beber bastante água e me cuidar”, diz ele, que acredita que tenha se contaminado na viagem de final de ano.

Quem também procurou uma farmácia para descobrir se estava com covid-19 ou gripe foi Ana Carolina Mattos. Ela passou o réveillon no sul da Bahia e agora está com sintomas. Quando foi até uma unidade da Pague Menos, em Lauro de Freitas, às 19 horas da terça-feira (04), foi informada de que os testes tinham acabado, apesar do estabelecimento funcionar até às 20 horas. Na quarta-feira (05), Ana Carolina desistiu de fazer o teste em farmácias e procurou um laboratório para fazer o exame RT-PCR. 

Pessoas aguardam na fila para testagem no Bonfim

(Foto: Paula Fróes/CORREIO)

Aumento da procura

Com a procura maior, fornecedores dos testes de covid e gripe se desdobram para atender aos pedidos. José Arthur Moreira é diretor comercial da Eco Diagnóstica, fabricante de testes e que fornece os exames para a Bahia, e afirma que a empresa está aumentando a produção de 40 mil para 100 mil testes diários. Ele explica que com a diminuição dos casos de contaminação, a fornecedora chegou a ter queda na produção, que volta agora com todo vapor. 

“Fornecemos para hospitais, clínicas e laboratórios. Inclusive, a prefeitura de Salvador vai receber, nesta semana, sete mil testes de covid e influenza juntos”, afirma o diretor.

A fornecedora MedLevensohn também registrou um aumento de 10% na demanda de testes de covid-19 após as festas de final de ano. Ainda segundo a empresa, houve um crescimento de 11,5% na procura por testes para influenza A+Bm que detectam a variante H3N2, em comparação a novembro e dezembro de 2020. A fornecedora já comercializou cerca de sete milhões de testes desde o início da pandemia, No pico das infecções, chegou a vender 200 mil exames mensais.

O que diz a especialista

Ter contato com pessoas infectadas ou sentir algum sintoma de covid-19, são motivos que levam as pessoas a procurarem pelo diagnóstico, mas no cenário atual, outros fatores podem motivar a busca. 

“O aumento na procura pelo teste de covid está ligado a dois fatores. Primeiro à questão dos sintomas. Estamos tendo mais pacientes com sintomas gripais, principalmente por conta da gripe [H3N2] que está assolando. O segundo ponto são as festas. Não é o ideal, mas muita gente associa que o teste negativo é um passe livre para se encontrar. Então, por causa das festas e aglomerações de fim de ano, muitos podem ter procurado fazer testes por esse motivo”, explica a infectologista Clarissa Cerqueira. 

A circulação dos vírus da covid-19 e da gripe H3N2, além de aumentar as chances de contaminação, pode causar uma dupla infecção e mascarar os sintomas uma da outra. Laís Guilherme Pita, 35, que trabalha como copeira em um hospital particular de Salvador, já está bem familiarizada com os sintomas da covid. Ela se infectou duas vezes e sentiu novamente os sinais da doença, no final de novembro do ano passado, mas, após consultar o seu médico, foi diagnosticada com gripe, e por isso, não pôde realizar o teste para Covid no local. 

“Na minha terceira infecção, os sintomas foram iguais, só um pouco mais fortes, tive febre, tremi, vomitei, e perdi o paladar, apesar de já estar vacinada, inclusive contra a gripe. Levou 20 dias para eu me recuperar. Mesmo não tendo conseguido fazer o teste naquele dia, e ter desistido de tentar novamente, porque a espera estava enorme, até na rede particular, não tenho dúvidas de que foi covid, porque os sintomas foram os mesmos que os das duas últimas vezes”, explica Laís. 

A infectologista Clarissa Cerqueira acrescenta que ainda não há nenhuma certeza se as pessoas que já tiveram covid têm mais ou menos chances de se contaminarem com o H3N2, por isso, os cuidados devem ser os mesmos contra as duas doenças, já que a infecção se dá de maneira igual. 

“As medidas de prevenção da influenza e da covid são as mesmas, apesar de serem vírus diferentes. É o uso das máscaras, a manutenção do distanciamento e continuar com boas práticas de higiene das mãos”, explica Clarissa.

Resultado do teste de antígeno demora 30 minutos

(Foto: Paula Fróes/CORREIO)

Testes no Bonfim

O terceiro dia de realização de testes gratuitos anticovid no bairro do Bonfim, na Cidade Baixa, revelou a surpreendente marca de 83 pessoas diagnosticadas com a infecção provocada pelo Sars-CoV-2. O número representa 26% dos 318 testes realizados nesta quinta-feira (06). O exame de antígeno apresenta o resultado em até 30 minutos. 

Durante os três dias da estratégia de prevenção no local, foram realizados 717 testes rápidos, sendo que 162 apresentaram resultado positivo. Os pacientes com o diagnóstico positivo foram orientados a permanecer em isolamento domiciliar e a procurar os serviços de saúde da rede municipal, em caso de agravamento do quadro clínico. 

Na terça (04), foram feitos 213 testes, com 30 positivos. Na quarta (05), foram realizados 199 testes, com 49 positivos. Ontem foi o dia com maior número de casos positivos. Devido a alta procura, o serviço ficará disponível até a próxima semana e os atendimentos acontecerão por ordem de chegada, das 08h às 11h30, durante a manhã, e das 13h30 às 16h, durante a tarde.

A iniciativa visa a detecção precoce do vírus para conter a disseminação da doença em Salvador. Nos próximos dias, ela deverá ser ampliada para o bairro de Brotas. “Esperamos com a estratégia identificar pacientes e reduzir a circulação viral na cidade”, explicou Léo Prates, titular da SMS.

Onde testar de graça?

A prefeitura de Salvador, através da Secretaria Municipal da Saúde (SMS), vai ampliar, a partir de hoje, de 48 para 50, o número de  postos de saúde que oferecem os testes para a detecção da covid-19. As unidades de saúde  oferecem o teste de antígeno, que possui mais de 93% de sensibilidade para o diagnóstico da covid-19. O serviço de testagem também realiza triagem com profissionais de saúde para facilitar o encaminhamento dos pacientes para o isolamento domiciliar ou para o acompanhamento médico, a depender da situação.

Os postos estão espalhados por  11 bairros da cidade (veja a lista abaixo) e o atendimento acontece de segunda à sexta-feira, das 08h às 16h:

Centro Histórico

UBS 19º Centro de Saúde do Pelourinho; 
UBS  Santo Antônio;

Itapagipe

USF Joanes Leste;
USF  São José de Baixo;
UBS  Ministro Alkimin;

São Caetano/Valéria

USF  San Martin II;
USF Boa Vista do Lobato;
USF Lagoa da Paixão;
USF  Boa Vista São Caetano;

Liberdade

USF Santa Mônica;
USF  IAPI;

Brotas

USF do Candeal Pequeno; 
USF  Mário Andréa;

Barra/Rio Vermelho

USF Ivone Silveira – Calabar; 
USF  Professor Sabino Silva;

Boca do Rio

UBS  César de Araújo;

Itapuã

USF  São Cristóvão;
USF  Km 17;
USF  Vila Verde;
USF  CEASA i e II;

Subúrbio Ferroviário

USF Vila Fraternidade;
USF  Itacaranha;
USF  São João do Cabrito;
USF  Rio Sena;

Cajazeiras

USF  Yolanda Pires; 
USF  Boca da Mata;
USF  Cajazeiras – Jaguaribe I;

Outros bairros

USF  das Barreiras 
USF  Colinas de Periperi

*Com a orientação da chefe de reportagem Perla Ribeiro e da subchefe de reportagem Monique Lôbo

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas