Jean marca contra Bahia e não comemora: 'Não foi como eu queria'

e.c. bahia
13.09.2020, 20:09:58
Atualizado: 13.09.2020, 22:31:39
Jean defendeu o Bahia entre 2015 e 2017 (Tiago Caldas / CORREIO)

Jean marca contra Bahia e não comemora: 'Não foi como eu queria'

Goleiro formado no Esquadrão fez primeiro gol da carreira

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

O Bahia foi vítima de uma cena inusitada neste domingo (16), em Pituaçu. A 'lei do ex' é algo corriqueiro no futebol. Mas quando esse ex veste luvas, não é algo comum. E foi isso o que ocorreu na derrota por 1x0 para o Atlético-GO em Pituaçu.

Formado no Esquadrão, o goleiro Jean marcou o primeiro gol da sua carreira aos 39 minutos do primeiro tempo. O camisa 1 cobrou falta na entrada da área, a bola bateu na barreira e voltou para ele, que chutou rasteiro nas redes de Douglas.

"Infelizmente não foi do jeito que eu queria. Queria que o meu primeiro gol fosse numa cobrança de falta, bem caprichada. Mas consegui pegar o rebote ali e fui muito feliz na finalização. Fico satisfeito de ajudar a minha equipe e feliz de marcar pela primeira vez como profissional", disse Jean.

Filho de Jean, também ex-goleiro do Esquadrão, o soteropolitano de 24 anos treinava no Fazendão desde menino. Virou profissional da equipe em 2015, ano em que foi titular, e recuperou a posição em 2017, quando foi um dos destaques do tricolor na Série A.

Naquela temporada, foi titular em todos os 38 jogos e começou a cobrar faltas. No começo de 2018, por causa do destaque nas defesas e da habilidade com os pés, acabou contratado pelo São Paulo.

Jean dedicou o primeiro gol à família: "Fizemos um primeiro tempo muito bom e acredito que merecemos o gol. Dedico o gol à minha família, que sempre esteve do meu lado. Minha mãe esteve ontem no hotel e falou que se tivesse uma falta perto da área era para eu bater".

Por conta da relação que tem com o Esquadrão, ele não comemorou o primeiro tento da carreira. Limitou-se a levantar os braços e baixar a cabeça.

"Não comemorei devido ao carinho que tenho pelo Bahia, que me lançou no futebol e me deu a oportunidade. Carinho muito grande por esse clube e por sua torcida também", completou Jean.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas