Klabin trabalha para substituir plástico por papel em embalagens

farol econômico
17.09.2018, 05:00:00

Klabin trabalha para substituir plástico por papel em embalagens

Por Donaldson Gomes

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Ancorada na preocupação do consumidor com o meio ambiente, a Klabin pretende ampliar a presença do papel no mercado brasileiro de embalagens. Maior empresa integrada de papel e celulose do Brasil, a Klabin, que tem um unidade de produção em Feira de Santana, é líder na produção de papéis e cartões para embalagens, embalagens de papel ondulado e sacos industriais.  O alvo da empresa é o espaço atualmente ocupado pelas embalagens de resinas plásticas, avisa o diretor-geral da Klabin, Cristiano Cardoso Teixeira.  "Como visão de mercado, acreditamos que o isopor e plástico têm que sair do mercado de alimentação", afirmou em conversa com jornalistas, durante o Inova Klabin, realizado em São Paulo na última semana. Segundo ele, o maior fabricante de canudos do Brasil procurou a empresa, a procura de um substituto feito de papel. "Nem tudo o que hoje é feito com plástico será substituído, só queremos mostrar que o papel é uma alternativa real", destaca. 

Inovação
Durante o Inova Klabin, a empresa anunciou o lançamento, previsto para 2019 do Klacup, um copo 100% biodegradável, apresentado como alternativa para os copos descartáveis de plástico. O diretor de tecnologia industrial, inovação, sustentabilidade e negócio de celulose da empresa, Francisco Razzolini, anunciou um conjunto de investimentos que somam R$  32 milhões em duas unidades que irão trabalhar no desenvolvimento de novos produtos e novos usos para a celulose. Ele lembrou que entre 2015 e 2017 a empresa já havia investido R$ 70 milhões em inovação. "Avançamos em mais um ciclo de inovação", ressaltou. 

Presença na Bahia
A diretora de Negócios Papelão Ondulado da Klabin, Gabriella Michelucci, destacou o crescimento da procura pelas embalagens da empresa na Bahia e em outros estados do Nordeste. "Temos uma boa parceria com os produtores de frutas", ressalta. Segundo ela, a Klabin tem 50% de participação no mercado nordestino. Na Bahia, complementa, concorre com duas empresas locais, mas é líder de mercado. Para Gabriella, há um movimento global em busca de sustentabilidade que facilita o trabalho da empresa. "O mundo caminha para o consumo consciente. Nosso papel é oferecer a alternativa sustentável", acredita. 

O futuro das concessões
Nos últimos 23 anos foram investidos cerca de R$ 180 bilhões em melhorias e operações de concessões de rodovias. Os recursos foram investidos em mais de 20 mil quilômetros (Km)de extensão, sendo 9,2 mil Km de estradas federais. Os dados são do documento Novos Caminhos, elaborado pela Associação Brasileira das Concessionárias de Rodovias (ABCR) para ser entregue aos novos governantes e parlamentares brasileiros que tenham interesse em desenvolver políticas e programas de concessão de rodovias.

Bravo Caminhões
A Bravo Caminhões, do Grupo LM, comemora R$ 4,5 milhões em contratos de consórcio assinados e intenções de compras de veículos com a participação no 2º Encontro Anual dos Agentes de Distribuição do Nordeste, em Guarajuba, no Litoral Norte baiano. O evento reuniu indústrias, prestadoras de serviços, e outras empresas do setor.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas