Mãe de siamesas baianas tem alta de hospital e quer ir a Goiás ficar com as filhas

bahia
19.08.2019, 17:41:34
Atualizado: 19.08.2019, 20:35:15

Mãe de siamesas baianas tem alta de hospital e quer ir a Goiás ficar com as filhas

Laura e Laís nasceram unidas pelo abdômen em Santo Antônio de Jesus

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

(Foto: Divulgação/HMI)

A mãe das gêmeas siamesas Laura e Laís, que nasceram unidas pelo abdômen na sexta-feira (15), em Santo Antônio de Jesus, no Recôncavo baiano, teve alta neste domingo (18) do Hospital Maternidade Luiz Argolo, mantido pela Santa Casa de Misericórdia e, segundo a família, quer ir para Goiânia (GO), onde as filhas foram internadas no dia seguinte após o parto, num hospital especializado.

De acordo com a direção médica da maternidade, apesar da alta, é recomendável que Liliane Silva dos Santos, 36 anos, mantenha repouso em casa pelos próximos dias, sobretudo porque ela ainda está com os pontos das duas cirurgias a que foi submetida, uma cesárea e logo em seguida uma histerectomia – cirurgia para retirada do útero, que teve de ser realizada devido a uma hemorragia, agravada pela falta de contração do útero.

O CORREIO tentou entrevistar Liliane nesta segunda, mas a família informou que ela está evitando conversar. Liliane mora em Piraí do Norte, no Sul da Bahia, onde atua como auxiliar de limpeza de uma loja comercial.

No Hospital Estadual Materno-Infantil Dr. Jurandir do Nascimento (HMI), em Goiânia, Laura e Laís estão sendo acompanhadas pela tia, Lina Soares dos Santos, 44.

“Ela me disse que assim que puder, vem pra cá. Sempre que ela pode, me pergunta como estão as filhas, eu envio fotos e ela fica comentando”, disse Lina, que atua em Piraí do Norte como merendeira numa escola municipal e pediu licença para ficar com as sobrinhas.

“Elas choram, estão comendo, abrem os olhos. Laís já até reconheceu minha voz, ela fica me olhando e depois dorme. Laura tem o rosto um pouco mais cheio que o de Laís, mas acho que elas são bem parecidas”, disse Lina, que viajou para Goiânia junto com a mala do enxoval das gêmeas, feito com auxílio de moradores de Piraí do Norte.

“Desde quando ficamos sabendo que era gravidez de gêmeas siameses que iniciamos uma campanha que foi muito bem recebida pelas pessoas da cidade. Muita gente nos ajudou e ganhamos muita coisa, como berço, roupas, fraudas e cobertas”, ela contou, informando em seguida detalhes dos momentos que antecederam o parto, às 9h45 de quinta-feira passada.

Liliane tinha consulta no Hospital Roberto Santos, em Salvador, na sexta-feira passada. O acompanhamento estava sendo dado pelo hospital e era para as gêmeas nascerem lá, mas a bolsa estourou no meio do caminho.

(Foto: Divulgação/HMI)

“Fomos para o hospital municipal de Gandu, queriam que a gente voltasse para Piraí do Norte, mas não dava, então fomos para o hospital de Teolândia, onde não disseram pra gente ir para Santo Antônio de Jesus. O pessoal da Santa Casa fez tudo certo com a minha irmã e as gêmeas. Somos muito agradecidos por isso”, comentou ela.

Num comunicado nesta segunda-feira, o HMI informou que Laura e Lais seguem internadas na Unidade de Cuidados Intermediários Neonatal (Ucin), em observação. “O estado de saúde delas é regular, estável, estão respirando em ar ambiente (sem aparelho) e se alimentando por sonda”, afirma o comunicado.

As irmãs nasceram com 36 semanas de gestação e são unidas pelo abdômen, e compartilham a bexiga, a bacia, os intestinos delgado e grosso, e o sistema urinário. Elas estão sendo avaliadas para cirurgia de separação, que só deve acontecer daqui a um ano, quando as irmãs tiverem mais peso. Ainda não há previsão de alta.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas