Mais de 198 mil brasileiros tiveram WhatsApp clonado; veja como evitar golpe

em alta
02.03.2020, 23:39:00
Atualizado: 02.03.2020, 23:39:36
(Ilustração: CORREIO Arte)

Mais de 198 mil brasileiros tiveram WhatsApp clonado; veja como evitar golpe

Além da clonagem, levantamento indica que foram detectados 7.590 golpes únicos, que já impactaram, juntos, cerca de 13,6 milhões de usuários no país

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

De acordo com um levantamento realizado por um laboratório especializado em segurança digital, estima-se que 198,1 mil brasileiros tiveram o WhatsApp clonado em todo o País no mês de janeiro de 2020. O estudo, realizado por laboratório da startup brasileira PSafe, indica que há maior concentração de vítimas nos estados de São Paulo, Rio de Janeiro e Minas Gerais.

Para realizar a clonagem, o golpista cadastra indevidamente o número de telefone do usuário em um outro dispositivo e, após esse processo, um SMS contendo o código de liberação de acesso é enviado para o celular da vítima. O dono do número, então, é induzido a fornecer esse código de liberação ao hacker, que ativa o acesso no próprio celular. Depois disso, a conta do WhatsApp é bloqueada no celular da vítima.

Além da clonagem do WhatsApp, o levantamento da PSafe indica que foram detectados 7.590 golpes únicos, que já impactaram, juntos, cerca de 13,6 milhões de usuários no Brasil.

Entre os golpes mais populares, estão a vaga de emprego falsa, que teve 5.054.090 milhões de acessos; cadastro no Bolsa Escola, com mais de 1 milhão de acessos; e a oferta de cartão de crédito para negativados, que ultrapassou 210 mil acessos.

Quando analisados os dados da PSafe geograficamente, é encontrada uma maior concentração de vítimas no estado de São Paulo, onde 41,2 mil pessoas caíram em golpes online. Em segundo lugar, está o Rio de Janeiro, com 24,2 mil vítimas; seguido de Minas Gerais, com 15,9 mil vítimas.

Como posso me proteger desses golpes?
Emilio Simoni, diretor do dfndr lab, o laboratório especializado em segurança digital da PSafe, listou alguns dos principais cuidados que os usuários devem ter para se proteger de golpes online. São eles:

  • Tenha cuidado ao clicar em links compartilhados no WhatsApp ou nas redes sociais.

Em caso de vagas de empregos, verifique as informações compartilhadas nos sites oficiais das empresas. Desconfie sempre de promoções, brindes e descontos, buscando checar, também, por meios oficiais.

  • Para evitar a clonagem do seu WhatsApp, ative a verificação em dois fatores.

A função está disponível no próprio aplicativo e pode aumentar a segurança da conta. Para ativar, abra seu WhatsApp, toque em Configurações, no caso de aparelhos Android, ou Ajustes para iOS > Conta > Confirmação em duas etapas > Ativar.

  • Caso esteja em dúvida se um link é falso, é possível verificar no site do dfndr lab.

Essa checagem é rápida e determina se um site oferece algum tipo de risco. Para realizar a verificação, basta copiar o link recebido e colar no local indicado no site da dfndr lab.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas