Manchas de óleo: shoppings arrecadam materiais de proteção para voluntários

bahia
25.10.2019, 19:48:00
Atualizado: 25.10.2019, 22:59:38
Voluntários estão ajudando as equipes dos órgãos oficiais (Foto: Marina Silva/ CORREIO )

Manchas de óleo: shoppings arrecadam materiais de proteção para voluntários

Podem ser doados luvas, máscaras e água, entre outros equipamentos

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Três shoppings centers de Salvador lançaram uma campanha para arrecadar Equipamentos de Proteção Individual (EPIs) para os voluntários que estão ajudando as autoridades a recolher as manchas de óleo que estão parecendo no litoral. O Salvador Shopping, Salvador Norte Shopping e Shopping Bela Vista montaram pontos de coleta para os materiais utilizados na retirada do dejeto.

Quem deseja doar sacos resistentes para resíduos de 50 ou 100 litros, pares de luvas de PVC ou botas de léguas de PVC, pode entregar o material no CAC localizado no piso L2 do Salvador Shopping ou no Espaço Cliente instalado no piso L2 do Salvador Norte Shopping.

Os donativos arrecadados no Salvador Shopping serão destinados à Secretaria Municipal de Sustentabilidade, Inovação e Resiliência (Secis - Salvador) e o material coletado no Salvador Norte será entregue à Secretaria de Meio Ambiente, Saneamento e Recursos Hídricos (Semarh) de Lauro de Freitas. Os órgãos municipais destinarão os itens recebidos a ações realizadas pelas respectivas secretarias, ONGs e voluntários.

No Salvador Norte Shopping, o ponto de arrecadação permanece até o domingo (27) e, no Salvador Shopping, a campanha acontece por tempo indeterminado.

Já o Bela Vista instalou um ponto de arrecadação no Cac, Piso L1, para receber doações de água mineral, caixas de luvas nitrílicas, calças e camisas de manga longa. A ação é por tempo indeterminado.

Óleo encontrado na praia da Paciência, no Rio Vermelho (Foto: Marina Silva/ CORREIO)

Doação de EPIs
Os voluntários vão receber apoio também da Coelba. A concessionária já começou a doar, a última quinta (24), 6.950 equipamentos de proteção individual para o Governo da Bahia, por meio do Inema. Os aparatos devem ser entregues para pessoas que realizam trabalho voluntário no litoral baiano.

Dentre os itens doados, estão luvas, botas e máscaras. Como o óleo é tóxico e pode causar danos à saúde, a empresa ressalta que é importante evitar o contato com a pele. A Coelba decidiu fazer a doação para levar mais segurança à atividade e minimizar os riscos à saúde dos voluntários. O repasse dos EPIs fica por parte do Inema.

Grupo de voluntários que ajudou a limpar a praia de Buracão (Foto: Betto Jr/ CORREIO)

Petróleo
As primeiras manchas de óleo começaram a aparecer no litoral do Nordeste no final de agosto. Na Bahia, elas chegaram no início de outubro, pelo Litoral Norte, mas logo chegou também em Salvador, na Ilha de Itaparica, e continua descendo a costa. O desastre já foi registrado nas praias paradisíacas de Morro de São Paulo, Garapuá e, mais recentemente, em Ilhéus, no Sul do estado. Até está quinta-feira (24), foram recolhidas 237 toneladas de óleo na Bahia

Preocupados, os trabalhadores que dependem da pesca e das praias para sobreviver, além de moradores e outros voluntários, estão fazendo mutirões e trabalhando ao lado dos órgãos competentes para recolher o petróleo. Alguns deles não tomaram os cuidados devidos e estão começando a apresentar problemas de saúde.  

Situação preocupa as autoridades (Foto: Marina Silva/ CORREIO)

Na terça-feira (22), o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, afirmou que o governo fará um monitoramento de longo prazo dos impactos do derramamento de óleo na população que está tendo contato com a substância. A iniciativa será similar à de Brumadinho, em Minas Geiras. Mas ele não explicou como essas pessoas serão identificadas e de que forma esse trabalho será realizado.

O Governo Federal ainda não identificou o que está causando o aparecimento das manchas de óleo no litoral do Nordeste. Até o momento, o que se sabe é que ele foi produzido na Venezuela. Na quinta-feira (24), a Organização Internacional de Polícia Criminal (Interpol) afirmou que vai auxiliar a Marinha e a Polícia Federal na investigação das causas do desastre. 

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas