Marca de Emicida mostra samba com pegada streetwear

Moda
18.03.2017, 10:36:00

Marca de Emicida mostra samba com pegada streetwear

Lab se inspirou no ritmo para criar coleção; confira quem foram as baianas que desfilaram
As baianas Sista Katia, Barbara Valente (com a jaqueta bordada à mão) e Lorraine Cruz
(Fotos: Ag. Fotosite/divulgação)


Impressionante como a Lab foi ainda mais arrebatadora em sua segunda participação no São Paulo Fashion Week, seguindo seu estilo streetwear na maior categoria. A marca do rapper Emicida com seu irmão Fióti encerrou a temporada de Inverno 2017 da semana de moda com a coleção Herança, que teve o samba como tema.

Seu casting, formado por modelos e convidados, inclusive baianos - as tops Barbara Valente e Lorraine Cruz e a grafiteira Sista Katia – desfilaram os looks assinados por João Pimenta. Eles pareciam contar uma história, que começou com uma sucessão pretos, que simbolizavam um luto pelo país, culminando com uma espécie de sobretudo de nylon com uma bandeira do Brasil.

Na sequência, vieram os P&Bs, as cores e brilhos - que explodem em uma jaqueta bomber linda bordada à mão -, um mix de azuis, brancos e rosas, até chegar no branco completo com outro sobretudo trazendo a bandeira aplicada nas costas.

Além dos casacos e jaquetas, a coleção trouxe ternos, coletes e calças (algumas pantacourts) em alfaiataria – naquela elegância do malandro do samba só que com pegada street bem confortável -, camisetas em malha, bermudas e outras peças do guarda-roupa urbano sobrepostas.

O desfile aconteceu nesta sexta-feira (18), no prédio da Bienal, no Parque do Ibirapuera, em São Paulo.

*A jornalista viajou à São Paulo a convite da organização do evento


***

Em tempos de desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informações nas quais você pode confiar. E para isso precisamos de uma equipe de colaboradores e jornalistas apurando os fatos e se dedicando a entregar conteúdo de qualidade e feito na Bahia. Já pensou que você além de se manter informado com conteúdo confiável, ainda pode apoiar o que é produzido pelo jornalismo profissional baiano? E melhor, custa muito pouco. Assine o jornal.


Relacionadas