'Medalhões', Jonas e Galdezani perdem espaço após chegada de Dabove ao Bahia

e.c. bahia
23.09.2021, 07:25:00
Atualizado: 23.09.2021, 07:26:52
Jonas e Galdezani treinam na Cidade Tricolor enquanto esperam por uma chance na equipe (Foto: Felipe Oliveira/EC Bahia)

'Medalhões', Jonas e Galdezani perdem espaço após chegada de Dabove ao Bahia

Jogadores têm ficado fora da lista de relacionado para os jogos do tricolor

O trabalho de Diego Dabove no comando técnico do Bahia ainda está apenas no início, mas aos poucos já é possível perceber com quais peças do elenco o treinador argentino vai contar ao longo do segundo turno do Campeonato Brasileiro. 

Se para alguns jogadores, como o volante Lucas Araújo e o goleiro Mateus Claus, a mudança no comando significou novas chances na equipe, por outro lado atletas considerados "medalhões" têm perdido cada vez mais espaço dentro do grupo. É o caso dos volantes Jonas e Matheus Galdezani. 

Antes caras constantes do time tricolor na "Era Dado Cavalcanti", agora a dupla tem ficado fora até mesmo do banco de reservas. Para se ter uma ideia, os dois ainda não atuaram desde a chegada de Diego Dabove. 

Contratado com a missão de substituir Gregore - negociado ao futebol dos Estados Unidos -, Jonas tem como característica ser o volante marcador. Ao todo, ele fez 21 jogos com a camisa do Bahia (oito como titular) e marcou um gol. 

Apesar dos números, ele não conseguiu se firmar na equipe. A última vez que o jogador esteve em campo foi na derrota do Bahia para o Grêmio, por 2x0, no primeiro turno. Na ocasião, o tricolor foi treinado de forma interina pelo português Bruno Lopes e o volante entrou no segundo tempo. Depois disso, Jonas foi relacionado para apenas um dos quatro jogos que Dabove dirigiu o time, mas não foi utilizado na vitória sobre o Fortaleza. 

Já Matheus Galdezani tem ainda mais tempo sem ser utilizado. Contratado por empréstimo do Coritiba - clube com o qual foi rebaixado no ano passado -, o volante atuou pela última vez na derrota para o Atlético-GO, por 2x1, em Pituaçu, jogo que sentenciou a queda de Dado Cavalcanti. 

Galdezani até ficou no banco nas partidas contra o Fluminense e Fortaleza, mas nos empates com Santos, em São Paulo,  e Red Bull Bragantino, na Fonte Nova, ele não foi lembrado por Dabove. Ao todo, o volante soma 24 jogos pelo Esquadrão, sendo apenas quatro como titular. 

Nesse meio tempo em que a dupla perdeu espaço, outros atletas surgiram no radar do treinador. Além de Lucas Araújo, que se firmou entre os titulares, o volante Luizão passou a ser peça constante nos jogos. Enquanto isso, Raniele tem revezado entre o time sub-23 e o grupo principal. No último jogo, Pablo foi a novidade no banco. 

Por sinal, durante as entrevistas após as partidas, o técnico Diego Dabove tem deixado no ar uma certa insatisfação com a montagem do elenco do Bahia. Para ele, o grupo tem muitos jogadores com características semelhantes. O clube tem apenas até a próxima sexta-feira (24) para fazer novas incorporações ao grupo.  

"Temos um grupo muito parecido, Patrick, Daniel, Raniele, Edson, são jogadores de características parecidas", explicou ele logo depois do empate com o Santos, fora de casa.

Com praticamente todo o elenco à disposição, o Bahia tem agora mais três dias pela frente para escolher as melhores peças e montar o time que vai encarar o Internacional, neste domingo (26), no Beira Rio, em Porto Alegre. 

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas