Melgar será o 7º adversário estrangeiro do Bahia na Sul-Americana

e.c. bahia
26.10.2020, 06:00:00
Atualizado: 26.10.2020, 18:44:05
Mano Menezes teve semana livre para treinar visando o duelo (Felipe Oliveira / EC Bahia)

Melgar será o 7º adversário estrangeiro do Bahia na Sul-Americana

Tricolor já visitou cinco países e tem retrospecto positivo na competição

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Nesta segunda-feira (26) faz exatamente oito meses que o Bahia eliminou o Nacional do Paraguai, em Assunção, pela primeira fase da Copa Sul-Americana. A vitória por 3x1 no duelo de volta ocorreu no dia 26 de fevereiro. E é nessa semana que o Esquadrão voltará à disputa da competição internacional.

O tricolor também voltará a viajar para fora do país depois de oito meses. O jogo de ida pela segunda fase da Sul-Americana será em Lima, no Peru, na quinta-feira (29), às 21h30 (de Salvador). O adversário é o Melgar, equipe de Arequipa, mas que está mandando seus jogos na capital por conta da covid-19. Na prática, isso representa para o Bahia uma preocupação a menos com a altitude, que em Arequipa é de 2.300m. Lima é uma cidade litorânea.

O reencontro com a competição é o retorno do Bahia à luta por um título desejado pela torcida desde 2012, ano da primeira participação, mas que nunca ficou próximo. A melhor campanha do tricolor foi em 2018, quando chegou às quartas de final. No total, o retrospecto é equilibrado: são 24 jogos, com 11 vitórias, quatro empates e nove derrotas.

O Melgar será apenas o sétimo adversário internacional dos 12 que o Esquadrão já enfrentou pela Sul-Americana. Porém, será o segundo rival peruano: em 2014, o Bahia foi eliminado fora de casa na segunda fase pelo César Vallejo, equipe de Trujillo.

Pela competição, o tricolor já visitou cinco países. O primeiro foi a Colômbia, em 2013, quando enfrentou o Atlético Nacional de Medellín, pela segunda fase. Acabou eliminado no jogo da volta, na Fonte Nova, nos pênaltis.

Depois vieram Peru (César Vallejo), Bolívia (Blooming, em 2018), Uruguai, duas vezes (Cerro, em 2018, e Liverpool, em 2019), e Paraguai (Nacional). A primeira vitória fora do Brasil veio apenas neste ano, contra o Nacional. Fora ela, a campanha é de três derrotas e dois empates.

“A gente sabe que os jogos na Sul-Americana são diferentes do Brasileiro. Precisamos mostrar mais pegada e atenção lá fora. É um jogo que o juiz deixa correr um pouco mais e marca menos falta. E a gente sabe também do critério de gols fora de casa, que conta muito. Então a gente tem que saber aproveitar essas coisas, ficar bastante ligado e conseguir um bom resultado no jogo de ida contra o Melgar”, disse o meia Daniel.

Uma segunda vitória em território estrangeiro seria muito positivo para o momento que o Bahia vive na temporada. Após uma sequência negativa na Série A do Brasileiro, em que chegou ao Z4 e à lanterna da competição, o tricolor venceu o Atlético-MG na última segunda-feira (19) e agora busca se distanciar da zona de rebaixamento.

O próximo duelo pela competição nacional será em meio a uma maratona. Depois de enfrentar o Melgar em Lima, na quinta-feira à noite, o Bahia enfrenta o Santos no domingo (1º), às 18h15, na Vila Belmiro. Por outro lado, o técnico Mano Menezes teve a semana inteira e também o final de semana livres para treinar.

O meia Daniel foi um dos destaques em campo contra o Atlético-MG, quando entrou na etapa final e ajudou a virar o placar com assistência para gol de Gilberto. “A gente sabe da qualidade do nosso grupo e se cobra bastante. Sabe do investimento que foi feito pela diretoria. Ninguém quer ficar ali na segunda página da tabela. Tem que ter logo triunfos seguidos e passar logo para a primeira parte da tabela”, disse o meia.

“A gente sabe que a equipe tem qualidade para isso. Vamos ver se, contra o Santos, a gente consegue o segundo triunfo seguido no campeonato para tentar deslanchar, entrar firme e não sair mais de lá de cima no campeonato”, comentou Daniel.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas