Menos azul: por que a falta de esgoto é um risco à Baía de Todos-os-Santos?

salvador
01.11.2021, 06:00:00
Atualizado: 01.11.2021, 12:28:14

Menos azul: por que a falta de esgoto é um risco à Baía de Todos-os-Santos?

Ouça o podcast especial: seis dos 16 municípios da BTS não têm esgotamento sanitário adequado

A Bahia não se chama assim à toa. O próprio nome de todo o estado reflete a importância dessa porção de água que nos abraça. Batizada assim há 520 anos pelos portugueses, no dia 1º de novembro, o dia de Todos-os-Santos.

Nesse aniversário da maior baía do Brasil – e segunda maior do planeta! –, vale discutir como estamos cuidando dela. Sobretudo, sua biodiversidade. Afinal, isso afeta os frutos do mar e, por consequência, a alimentação dos que aqui moram e dos que vivem da pesca.

No 24º episódio do podcast O Que a Bahia Quer Saber, parte do especial A Baía Mãe, ouvimos pescadores que já sentem o sumiço dos peixes, outrora tão fartos. Também procuramos pesquisadores para entender os motivos dessa escassez e os danos que ainda podem ocorrer.

Clique no player abaixo para ouvir o episódio do O Que a Bahia Quer Saber:

Para ouvir diretamente no Anchor, clique aqui.

Você também pode ouvir em outros aplicativos (veja abaixo)

Dos 16 municípios ao redor da Baía de Todos-os-Santos, seis ainda não têm esgotamento sanitário: Nazaré, Aratuípe, Jaguaripe, Salinas das Margaridas, São Félix e Saubara. São comunidades inteiras com canos despejando dejetos nos rios.

Também falamos com pesquisadores para entender os riscos que a Baía de Todos-os-Santos ainda corre. O foco está na falta de esgotamento sanitário, ou a precarização cada vez maior dele. Como indústrias e moradias irregulares acabam matando, pouco a pouco, a baía?

Além de pensar o ambiente da Baía em si, é preciso cuidar melhor dos rios que nela desaguam. São eles o Paraguaçu e o Jaguaripe, na porção Oeste, e o Rio Subaé, na porção mais ao Norte. Por que os seus mangues e matas ciliares afetam quem vive aqui, no continente?

Toda semana, você tem no podcast O Que a Bahia Quer Saber uma matéria especial em formato de áudio. Um mergulho em algum tema de relevância para o estado. Você poderá acessar os episódios aqui mesmo no site do Correio* no seu aplicativo favorito de podcasts: no Spotify, no Deezer, no Anchor, no Google Podcasts ou no Apple Podcasts.


Você também pode ouvir nos aplicativos de sua preferência:


Spotify:

Para ouvir diretamente no Spotify, clique aqui.


Apple Podcasts:

Para ouvir diretamente no Apple Podcasts, clique aqui.


Castbox:

Para ouvir diretamente no Castbox, clique aqui.


Deezer:

Para ouvir diretamente no Deezer, clique aqui.


Google Podcasts:


Para ouvir diretamente no Google Podcasts, clique aqui.


Outros aplicativos


Para ouvir no Stitcher, clique aqui.

Para ouvir no Pocket Casts, clique aqui.

Para ouvir no Breaker, clique aqui.

Para ouvir no Radio Public, clique aqui.


Mas... O que é "podcast"?

Podcast é um programa de áudio, igualzinho a um de rádio. A diferença é que você pode ouvir quando, como e onde quiser. Pode ser no celular, no computador ou na TV. Se quiser, você pode pausar, voltar, adiantar ou pular os trechos, se preferir.

Para ouvir, basta tocar no player acima. Ou, se preferir, basta clicar nos links para ouvi-lo no Spotify, no Deezer, no Apple Podcasts ou no Google Podcasts. Também é possível buscar os episódios diretamente nos aplicativos.

O Que a Bahia Quer Saber

O CORREIO produz podcasts desde 2017, quando iniciou o Bate-Pronto Podcast, sobre futebol baiano. Em 2020, lançamos o O Que a Bahia Quer Saber, podcast diário com notícias relevantes para o estado.

Em 2021, o O Que a Bahia Quer Saber volta com formato especial: a cada semana, o leitor (e ouvinte!) terá uma matéria especial, com o padrão do CORREIO de jornalismo, porém explorando toda a riqueza que o áudio pode trazer.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas