Moradora de rua é morta a tiros após pedir R$ 1 de esmola em Niterói

brasil
20.11.2019, 10:09:59
Atualizado: 20.11.2019, 10:14:21
Moradora de rua é morta a tiros após pedir R$ 1 de esmola em Niterói (Foto: Reprodução)

Moradora de rua é morta a tiros após pedir R$ 1 de esmola em Niterói

Aderbal Ramos de Castro, o homem que aparece nas imagens, atira a poucos metros da vítima

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Uma moradora de rua foi morta a tiros depois de pedir R$ 1 de esmola no Centro de Niterói, no Rio de Janeiro. O crime aconteceu na madrugada de sábado (16).

Nas imagens registradas por câmeras de segurança, Zilda Henrique dos Santos Leandro, 31 anos, conhecida como Néia, aparece andando na rua. Ela aborda um homem que passa pelo local e pede dinheiro.

Aderbal Ramos de Castro, o homem que aparece nas imagens, tenta desviar da mulher, saca uma arma e atira a poucos metros da vítima.

Zilda foi baleada no abdômen e caiu na rua ferida. As imagens mostram que uma mulher chega logo depois e fica desesperada. Ela tentou pedir ajuda de motoristas que passavam pelo local, mas ninguém parou.

O homem sai andando normalmente e guarda a arma na cintura. Ele foi identificado e está preso na Delegacia de Homicídios.

“Ele é dono de uma lanchonete que fica ali perto e estava a caminho do trabalho quando o fato aconteceu.Já foi assaltado outras vezes naquela região e por isso reagiu”, explicou a advogada Daniela Lopes, responsável pela defesa do preso, ao G1 Niterói.

Ainda segundo a publicação, Aderbal tem porte de arma. A documentação já teria sido encaminhada à polícia.

Zilda chegou a ser socorrida pelo Corpo de Bombeiros, mas não resistiu e morreu.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas