Moradores de Sete de Abril passam por simulação de emergência

salvador
07.03.2020, 12:51:00
Atualizado: 07.03.2020, 12:56:24
(Bruno Wendel/CORREIO)

Moradores de Sete de Abril passam por simulação de emergência

Na comunidade de Bosque Real, 85 pessoas participaram da ação, iniciativa da Defesa Civil

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

O relógio de teto marcava 9h quando o alerta ecoou. Britanicamente, a dona de casa Marilda pegou os documentos sobre a cômoda, chamou o marido e o filho e, juntos, abandonaram a casa na manhã deste sábado (7), no bairro de Sete de Abril, em Salvador. Já do lado de fora, debaixo de chuva, eles se juntaram a outras famílias que igualmente foram acionadas pelo sistema de alarme e seguiram o protocolo da Defesa Civil de Salvador (Codesal). 

Apesar da chuva forte, era só um simulado de evacuação na comunidade de Bosque Real. "Foi muito importante porque a gente teve as informações na teoria e falta a prática para a gente ver se de fato estamos preparados para uma fatalidade", declarou Marilda Santos de Jesus, 55 anos.

Ela, o marido e filho moram na Rua Osório Vicente, uma das áreas de risco, e fizeram parte do contingente de 85 pessoas que usaram três rotas de fuga para ter acesso à Escola Municipal Novo Marotinho, onde foi implantado o ponto de apoio da operação.

"Quando chove assim, ninguém dorme. O medo não deixa, por isso que todo mundo aprovou essa iniciativa da Defesa Civil", disse o marido de Marilda, o vigilante João Santos, 66. 

A operação realizou testes para retirada rápida de moradores de suas casas, com o objetivo de reduzir danos e preservar vidas em comunidades localizadas em áreas onde é grande o risco de acidentes relacionados ao mau tempo, a exemplo daqueles causados por desabamentos de imóveis e deslizamentos de terra. 

“O objetivo é treinar para que os cidadãos saibam o que fazer no caso de acidentes relacionados à proteção civil, e para que consigamos evitar e minimizar os efeitos da chuva”, explica o diretor-geral da Codesal, Sosthenes Macêdo.

Primeiro a sair
Quem também não pensou duas vezes antes deixar a casa foi Bono, um labrador de três anos. "Quando a sirene tocou, ele foi o primeiro a chamar todo mundo para sair. Pegamos os documentos de todos, inclusive a identidade e a carteira de vacinação dele, porque faz parte da família", disse o motoboy Vando de Oliveira, 30, dono de Bono. Ele morou em São Paulo.

"Já passei por várias situações de risco por lá, mas nunca tive um simulado desse. É a primeira vez", acrescentou.

Segundo a Defesa Civil, Salvador tem 11 áreas de risco mapeadas. Este ano já houve simulado algumas localidades, como a do Calabetão. As próximas são Bom Juá, Baixa do Cacau, Vila Picasso e Moscou.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas