Moro entrega provas contra Bolsonaro ao Jornal Nacional

brasil
24.04.2020, 21:30:00
Atualizado: 24.04.2020, 21:49:19
(Foto: Reprodução/ TV Globo)

Moro entrega provas contra Bolsonaro ao Jornal Nacional

Ex-ministro apresentou prints de conversas com o presidente e com a deputada Carla Zambelli

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

O Jornal Nacional apresentou na noite desta sexta-feira (24) algumas conversas do ex-ministro Sergio Moro com o presidente Jair Bolsonaro e a deputada Carla Zambelli (PSL-SP). O material foi entregue pelo próprio Moro, depois de o JN cobrar ao ex-ministro provas acerca das acusações feitas ao presidente durante a coletiva em que anunciou a sua demissão. De acordo com o ex-ministro, os prints são de mensagens trocadas na noite de quinta-feira (23).

Em uma delas, o presidente teria enviado um link do site O Antagonista, com uma matéria que informava que a PF estaria na cola de 10 a 12 deputados bolsonaristas. "Mais um motivo para troca [de Valeixo]", teria justificado o presidente após compartilhar o link. Sergio Moro respondeu que as investigações não tinham sido pedidas pelo então diretor-geral da PF, mas pelo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandro de Moraes. "Diligências por ele (Moraes) determinadas, quebras por ele determinadas, buscas por ele determinadas", respondeu Moro. Tal fato não justificaria, portanto, a exoneração.

Outra imagem de troca de mensagens cedida por Sergio Moro foi com a deputada Carla Zambelli (PSL-SP), que teria pedido a ele que aceitasse a indicação do diretor-geral sugerido por Jair Bolsonaro. "Por favor ministro, aceite o Ramage [diretor da Abin]", escreveu a deputada. Foi ela quem sugeriu que Moro fizesse dessa negociação uma moeda de troca para que o presidente Jair Bolsonaro o indicasse ao STF em setembro. "Eu me comprometo", teria escrito a deputada.

Nas mensagens, Moro responde. "Prezada, não estou à venda". Ela insiste e apela para a vida de "milhões de brasileiros". Moro se esquiva e encerra: "Vamos aguadar, já há pessoas conversando lá", fazendo menção à tentativa de aliados de fazer o presidente mudar de ideia sobre a exoneração de Valeixo.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas