Morre aos 59 anos o artista Carlito Carvalhosa

brasil
14.05.2021, 10:24:47
Atualizado: 14.05.2021, 12:08:38

Morre aos 59 anos o artista Carlito Carvalhosa

Ele foi um dos poucos brasileiros que expôs no Museu de Arte Moderna de Nova York

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Morreu nesta quinta-feira (13) no Hospital Nova Star, em São Paulo, aos 59 anos, o artista Carlito Carvalhosa, em decorrência de um câncer contra o qual lutou por mais de oito anos. O velório do artista, um dos mais renomados contemporâneos brasileiros, será nesta sexta-feira (14), a partir das 10h. Seu corpo será cremado em cerimônia no Horto da Paz, às 16h. As informações foram fornecidas pela irmã do artista, Zita Carvalhosa. Carlito deixa esposa e duas filhas, Maria e Cecília.

Carlito Carvalhosa foi um dos maiores fenômenos da arte brasileira contemporânea, tendo conquistado curadores e colecionadores internacionais com sua obra. Há dois dias, o Museu Guggenheim de Nova York comprou um trabalho do artista, que participou de várias bienais, entre elas a 18ª. Bienal Internacional de Arte de São Paulo, em 1985, a Bienal de Havana, no ano seguinte, e a Bienal do Mercosul, em 2001 e 2009. É um dos poucos brasileiros que expôs no Museu de Arte Moderna de Nova York - sua exposição, em 2011, foi um marco histórico.

(Foto: Reprodução)

O início de sua carreira foi nitidamente marcado pela influência do construtivismo. Seus primeiros trabalhos, dos anos 1980, usam a cera sobre tela, criando peças translúcidas. O processo de construção dessas peças revelam as etapas de sua produção, assim como, nos anos 1990, suas esculturas tornam evidentes as formas dos cilindros que as moldavam.

Carlito estudou na Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo (FAU/USP), de 1980 a 1984. Fez um curso de gravura em metal no ateliê de Sérgio Fingermann (1953), entre 1980 e 1982, década em que integrou o grupo Casa 7, com Rodrigo Andrade (1962), Fábio Miguez (1962), Nuno Ramos (1960) e Paulo Monteiro (1961). Eles produziam, na época, pinturas gestuais de grandes dimensões, como era comum entre os neoexpressionistas alemães e a transvanguarda italiana.

O artista morou na Alemanha entre 1989 e 1992 com uma bolsa do Deutscher Akademischer Austauch Dienst (DAAD), o Serviço Alemão de Intercâmbio Acadêmico, trabalhando em Colônia. A extinta editora Cosac Naify publicou uma monografia a respeito de seu trabalho em 2000, com textos de Alberto Tassinari, Rodrigo Naves e Lorenzo Mammì.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas