Motoboy é agredido após tentar cobrar entrega em Manaus; vídeo

brasil
07.02.2022, 08:28:56

Motoboy é agredido após tentar cobrar entrega em Manaus; vídeo

Entregador ficou 10 minutos imobilizado no show

Um entregador por aplicativo foi agredido após cobrar uma entrega na cidade de Manaus neste sábado (5). Uma mulher presenciou o caso e filmou as agressões sofridas por Hery Silva, de 32 anos.

Hery explicou a sua versão dos fatos. Ele chegou ao local de entrega e disse ao cliente que a corrida custava R$ 12. O homem, então, teria dado apenas R$ 6 e transferiria o resto via pix. No entanto, após 30 minutos, o depósito não foi feito. 

Neste momento, o motoboy devolveu o dinheiro já repassado pelo cliente e tentou ir embora, quando o homem começou as agressões. Segundo a vítima, foram cerca de dez minutos imobilizado. Após isso, o homem fez a transferência do dinheiro.

O homem fez um boletim de ocorrência e o caso foi registrado no 1º Distrito Integrado de Polícia de Manaus.

"Era uma entrega de um aplicativo e, assim como outros, ele abre a possibilidade para que o cliente pague em dinheiro. Só que ele não tinha dinheiro suficiente. E nesse caso, o procedimento é retornar com a mercadoria para o remetente. Quando eu virei as costas, após ter esperado por 30 minutos, ele achou que eu estava sendo rude, me derrubou e começou a me agredir", contou Hery ao g1.

O motoboy disse que na hora ficou assustado, mas conseguiu reagir e apenas tentou impedir que o homem o batesse. Segundo ele, o cliente também o ameaçou.

"Em nenhum momento ofereci resistência. Sou acostumado com esse tipo de coisa na academia, não ia me envolver em briga de rua, jamais. Eu fiquei imobilizado. A única coisa que consegui fazer foi espalmar a mão para evitar com que ele me agredisse. Ele não permitiu que eu saísse, inclusive me ameaçou, disse que me conhecia, sabia onde eu morava. Segundo ele, é meu vizinho".

O homem só parou de agredir Hery quando conseguiu pegar sua bolsa, rasgá-la e levar a encomenda. "Além da humilhação, me deu um prejuízo financeiro. Se ele tivesse me pedido para eu dar a mercadoria, eu daria. Ele só queria as coisas dele e não queria pagar".

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas