MP aciona ex-prefeito de Muniz Ferreira por não repassar contribuição de servidores ao INSS

bahia
31.03.2022, 16:10:05
(Reprodução/Criativa Online )

MP aciona ex-prefeito de Muniz Ferreira por não repassar contribuição de servidores ao INSS

Ocasionou um débito de mais de R$ 2 milhões perante a Receita Federal, o que gerou ao município a obrigação de pagar juros e multas no valor de R$ 567.014,36

Ex-prefeito do município de Muniz Ferreira, Wellington Sena Vieira foi acionado pelo Ministério Público estadual por deixar de efetivar, entre os anos de 2017 e 2020, o repasse de contribuições previdenciárias descontadas da remuneração dos servidores municipais ao Instituto Nacional de Seguro Social (INSS). Segundo as investigações do promotor de Justiça Leandro Ribeiro Oliveira, o ex-prefeito ocasionou um débito de mais de R$ 2 milhões perante a Receita Federal, o que gerou ao Município a obrigação de pagar juros e multas no valor de R$ 567.014,36.

A ação civil pública ajuizada nesta quarta-feira (30) registra que a atuação do ex-prefeito configura ato de improbidade administrativa, que importou dano ao erário. Leandro Ribeiro solicita à Justiça que decrete a indisponibilidade dos bens de Wellington Vieira no valor de R$ 567.014,36 para ressarcimento aos cofres públicos. Além disso, que o condene à perda dos bens ou valores acrescidos ilicitamente ao patrimônio, se ocorrer esta circunstância, perda da função pública, suspensão dos direitos políticos até 12 anos, pagamento de multa civil equivalente ao valor do dano e proibição de contratar com o poder público ou de receber benefícios ou incentivos fiscais ou creditícios, direta ou indiretamente, ainda que por intermédio de pessoa jurídica da qual seja sócio majoritário, pelo prazo não superior a 12 anos.

Leandro Ribeiro informa ainda que “a pretexto de regularizar o recolhimento das contribuições dos servidores públicos municipais, o ex-prefeito celebrou parcelamentos de dívidas perante a Receita Federal no apagar das luzes do seu mandato, mais precisamente no dia 22 de dezembro de 2020, quando já ciente de que não lograra êxito em se reeleger para o cargo de prefeito de Muniz Ferreira, sendo manifesto o dolo de que agiu em contrariedade às normas jurídicas que velam pela regularidade administrativa e fiscal do ente público que comandava”. Para o promotor de Justiça, isso reforça o dolo do ex-gestor. 

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas