MP-BA denuncia média de 27 casos de violência contra mulher por dia

bahia
15.07.2021, 14:32:00
Atualizado: 15.07.2021, 14:57:28
(Marina Silva/Arquivo CORREIO)

MP-BA denuncia média de 27 casos de violência contra mulher por dia

Veja onde buscar ajuda na capital

“No começo, tudo eram flores. Depois eu comecei a ver os espinhos”. Quando a baiana A.C.S* conheceu o ex-namorado, em julho de 2019, ele não demonstrava qualquer traço de comportamento violento. Não parecia ser o tipo de pessoa que sequer levantaria a voz para ela. Mas apenas cinco meses foram suficientes para que isso mudasse completamente e ela já tivesse imagens para recordar da primeira agressão.

Depois de um episódio em que quase perdeu a visão, ao levar um murro no olho direito, resolveu se separar. Não durou muito tempo até o agressor voltar pedindo desculpas e prometendo melhorar. “E pelo fato de eu gostar dele antes de gostar de mim mesma, voltei para ele”, disse. Esses casos não são uma exceção no estado da Bahia, como apontam dados do Ministério Público (MP-BA).

Até o dia 5 de julho, o órgão apresentou 4.890 denúncias por casos de violência contra mulheres no estado em 2021, o que equivale a 27 denúncias diárias. Em 2020, o MP apresentou um total de 9.124 denúncias, uma média de 24 por dia.

[Correção: Inicialmente, o MP havia informado que até 5 de julho, o órgão havia apresentado 15.079 denúncias, o que equivalia a 82 por dia. E que em 2020, apresentou um total de 26.469 denúncias, média de 72 por dia. A informação foi retificada na tarde desta quinta, estando os dados corretos no parágrafo anterior].

Para A.C.S, a última agressão foi uma facada. Após alguns dias de internação na Unidade de Pronto Atendimento (UPA) de Itinga, ela resolveu se mudar para a casa da mãe. “Denunciei, e a polícia não achou ele em casa porque ele estava no interior. Fui acompanhada por um psicólogo, e agora as coisas estão melhores, apesar de eu ainda viver com medo.”

Mesmo com o receio, ela não se arrepende de ter denunciado. E clama para que outras mulheres façam o mesmo. “Não se cale, tome iniciativa como eu tomei, porque o que eu passei eu não quero que ninguém passe. Vivi momentos de terror dentro da minha própria casa, e espero que quem passe por isso, que peça ajuda, como eu pedi”, diz.

Para as mulheres vítimas de violência doméstica, existem algumas casas de acolhimento na cidade, como a Casa de Acolhimento e Passagem de Mulheres, o Centro de Referência de Atenção à Mulher Loreta Valadares e o Núcleo da Defesa da Mulher e da Defensoria são alguns deles. Além disso, a vítima e seus conhecidos podem ligar para a Central de Atendimento à Mulher: pelo telefone 180. 

ONDE BUSCAR AJUDA EM CASOS DE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA: 

Cedap (Centro Estadual Especializado em Diagnóstico, Assistência e Pesquisa) – Atendimento médico, odontológico, farmacêutico e psicossocial a pessoas vivendo com HIV/AIDS. Endereço: Rua Comendador José Alves Ferreira, nº240 – Fazenda Garcia. Telefone: 3116-8888. 

Cedeca (Centro de Defesa da Criança e do Adolescente Yves de Roussan) – Oferece atendimento jurídico e psicossocial a crianças e adolescentes vítimas de violência. Endereço: Rua Gregório de Matos, nº 51, 2º andar – Pelourinho. Telefone: 3321-1543/5196. 

Cras (Centro de Referência de Assistência Social) – Atende famílias em situação de vulnerabilidade social. Telefone: 3115-9917 (Coordenação estadual) e 3202-2300 (Coordenação municipal) 

Creas (Centro de Referência Especializada de Assistência Social) – Atende pessoas em situação de violência ou de violação de direitos. Telefone: 3115-1568 (Coordenação Estadual) e 3176-4754 (Coordenação Municipal) 

Creasi (Centro de Referência Estadual de Atenção à Saúde do Idoso) – Oferece atendimento psicoterapêutico e de reabilitação a idosos. Endereço: Avenida ACM, s/n, Centro de Atenção à Saúde (Cas), Edifício Professor Doutor José Maria de Magalhães Neto – Iguatemi. Telefone: 3270-5730/5750. 

CRLV (Centro de Referência Loreta Valadares) – Promove atenção à mulher em situação de violenta, com atendimento jurídico, psicológico e social. Endereço: Praça Almirante Coelho Neto, nº1 – Barris, em frente a Delegacia do Idoso. Telefone: 3235-4268. 

Deam (Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher) – Em Salvador, são duas: uma em Brotas, outra em Periperi. São delegacias que recebem denúncias de violência contra a mulher, a partir da Lei Marinha da Penha. 

Deam Brotas – Rua Padre José Filgueiras, s/n – Engenho Velho de Brotas. Telefone: 3116-7000. 

Deam Periperi – Rua Doutor José de Almeida, Praça do Sol, s/n – Periperi. Telefone: 3117-8217. 

Deati (Delegacia Especializada no Atendimento ao Idoso) – Responsável por apurar denúncias de violência contra pessoas idosas. Endereço: Rua do Salete, nº 19 – Barris. Telefone: 3117-6080. 

Derca (Delegacia de Repressão a Crimes Contra a Criança e o Adolescente) - Endereço: Rua Agripino Dórea, nº26 – Pitangueiras de Brotas. Telefone: 3116-2153. 

Delegacias Territoriais – São as delegacias de cada Área Integrada de Segurança Pública. Segundo a Polícia Civil, os estupros que não são cometidos em contextos domésticos devem ser registrados nessas unidades. Em Salvador, existem 16 (http://www.policiacivil.ba.gov.br/capital.html). 

Disque Denúncia – Serviços de denúncia que funcionam 24 horas por dia. No caso de crianças e adolescentes, o Departamento de Ouvidoria Nacional dos Direitos Humanos oferece o Disque 100. Já as mulheres são atendidas pelo Disque 180, da Secretaria de Políticas Para Mulheres da Presidência da República.

Fundação Cidade Mãe – Órgão municipal, presta assistência a crianças em situação de risco. Endereço: Rua Prof. Aloísio de Carvalho – Engenho Velho de Brotas. 

Gedem (Grupo de Atuação Especial em Defesa da Mulher do Ministério Público do Estado da Bahia) – Atua na proteção e na defesa dos direitos das mulheres em situação de violência doméstica, familiar e de gênero. Endereço: Avenida Joana Angélica, nº 1312, sala 309 – Nazaré. Telefone: 3103-6407/6406/6424. 

Iperba (Instituto de Perinatologia da Bahia) – Maternidade localizada em Salvador que é referência no serviço de aborto legal no estado. Endereço: Rua Teixeira Barros, nº 72 – Brotas. Telefone: 3116-5215/5216. 

Casa da Defensoria de Direitos Humanos – Atendimento especializado para orientação jurídica, interposição e acompanhamento de medidas de proteção à mulher, através do Nudem (Núcleo Especializado na Defesa das Mulheres em Situação de Violência Doméstica e Familiar da Defensoria Pública do Estado). Endereço: Rua Arquimedes Gonçalves, 482, Jardim Baiano - 3324-1579. 

Secretaria Estadual de Políticas Para Mulheres - Endereço: Alameda dos Eucaliptos, nº 137 – Caminho das Árvores. Telefone: 3117-2815/2816. 

SPM (Superintendência Especial de Políticas para as Mulheres de Salvador) –Endereço: Avenida Sete de Setembro, Edifício Adolpho Basbaum, nº 202, 4º andar, Ladeira de São Bento. Telefone: 2108-7300. 

Serviço Viver – Serviço de atenção a pessoas em situação de violência sexual. Oferece atendimento social, médico, psicológico e acompanhamento jurídico às vítimas de violência sexual e às famílias. Endereço: Avenida Centenário, s/n, térreo do prédio do Instituto Médico Legal (IML) Telefone: 3117-6700. 

1ª Vara de Violência Doméstica e Familiar – Unidade judiciária especializada no julgamento dos processos envolvendo situações de violência doméstica e familiar contra a mulher, de acordo com a Lei Maria da Penha. Endereço: Rua Conselheiro Spínola, nº 77 – Barris. Telefone: 3328-1195/3329-5038.

*Com orientação da subchefe de reportagem Monique Lôbo

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas