Mulher tem 40% do corpo queimado após desodorante explodir por descarte incorreto

em alta
27.10.2021, 20:23:00
Atualizado: 27.10.2021, 20:23:55
(Reprodução)

Mulher tem 40% do corpo queimado após desodorante explodir por descarte incorreto

Caso aconteceu em Trombas, Goiás, após Marlene Moreira descartar um tubo de desodorante vencido e ainda pela metade em uma pilha de lixo que estava sendo queimada

A professora Marlene Moreira, 59, teve 40% do corpo queimado após um desodorante explodir em decorrência do descarte incorreto do produto. O acidente aconteceu na fazenda da família da vítima, em Trombas, Goiás, após ela jogar o frasco, que tinha vencido e não estava vazio, em uma pilha de lixo que estava sendo queimada.

Ao portal Uol, a professora explicou que ela e o marido já tinham o hábito de queimar o lixo da residência, uma vez que ela não é atendida por coleta pública. No último domingo, 24, no entanto, a prática comum para o casal acabou gerando o acidente que resultou em queimaduras de segundo grau nos braços, mãos e pernas da vítima.

Após o acidente, ela relatou que a dor foi absurda, sendo necessário ficar por 20 minutos debaixo do chuveiro para suportar. Após isso, Marlene recorreu à aplicação de compressas e de babosa antes de pegar a estrada para o Hospital de Queimaduras de Anápolis. A residência da família fica localizada a 416km de Goiânia.

Ao Uol, a professora contou que precisa ir todos os dias para o centro cirúrgico da unidade para ser sedada, a fim de realizar limpeza nos ferimentos. Apesar de muita dor, ela explicou que a dor mais forte foi sentida no momento em que a explosão aconteceu. A viagem de 400 km também foi um grande desafio para ela.

Arrependida por não ter tido mais cuidado com o descarte correto do lixo, Marlene ainda não tem previsão de alta hospitalar. Ela aconselha pessoas que têm o hábito da mesma prática a separarem bem o lixo antes de queimar, se certificando que nenhum contenha material inflamável em suas substâncias, como foi o caso do desodorante.

O conteúdo que causou o acidente, em geral, está sob pressão e tem compostos químicos inflamáveis. Os fabricantes alertam que as embalagens não devem ser expostas ao calor e que o descarte deve ser feito com o recipiente já vazio. 
 

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas