Mulheres de 40: Franja, tattoo, make e 'regras' que já eram

bazar
18.03.2019, 14:02:00
Atualizado: 18.03.2019, 17:16:23
A atriz Sandra Bullock, 54: toda trabalhada no cabelão e na franja (Foto: Reprodução/Shutterstock)

Mulheres de 40: Franja, tattoo, make e 'regras' que já eram

Do cabelo à tatuagem, confira os mitos de beleza que são coisa do passado

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Existem vários mitos em relação à beleza de mulheres com mais de 40 anos que só atrapalham aquelas que querem seguir seu estilo ou gosto. Um deles é a ‘obrigação’ de deixar o cabelo curto. Franja e fios brancos são praticamente proibidos. Maquiagem com direito a olhão e batom vermelho - nem pensar. Tatuagem? Tabu. Para dar um chega pra lá nas ideias ultrapassadas, batemos um papo com especialistas.

Pode ter cabelo longo?
Profissional da beleza há 25 anos, Dino Neto é categórico: “Cabelo longo é questão de gosto, do ângulo do rosto, e isso independe da idade. Tem artistas de Hollywood com cabelo comprido que são lindíssimas. Basta intensificar a hidratação para  os cabelos brancos ficarem bem cuidados”, dá a dica.

“A escolha de produtos deve considerar a deficiência de nutrição ou prevenção de danos”, explica o especialista em beleza Eddie Faustini. Para quem perdeu volume, ambos sugerem o corte em camadas.

Franja é pra adolescente?
“De jeito nenhum”, garante Dino. “Só acho importante variar o tipo, pra não ter o mesmo penteado sempre. Dá para fazer uma diagonal, com ponta ou desfiada. “Só não recomendo aquela reta e muito curta porque fica bem em pouquíssimas pessoas”, diz. Para Eddie, as franjas exigem cuidados diários e acompanhamento profissional periódico.

Consigo viver sem luzes?
Um clássico é dar luzes para disfarçar fios brancos. Mas hoje, ostentá-los não é mais pejorativo. A dica de Dino é investir na hidratação e em produtos específicos. “Quando o fio perde o pigmento, é preciso cuidar mais, principalmente dos cachos, para não ficarem irregulares. Para proteger de agentes que mudam a cor do cabelo, como cloro de piscina, vale usar xampus que platinam os fios”, acrescenta Dino.

Make poderosa sem medo
“As pessoas mais velhas costumam ter a pele mais ressecada, então a gente faz uma hidratação”, diz Dino. Para o dia a dia, a dica é um BB Cream, uma camada fina de pó e corretivo aplicado com o dedo. Um tabu era o batom vermelho. “Sugiro evitar textura matte. Melhor usar os cremosos, com emolientes”, conclui Dino.

Toda riscada
De uns anos pra cá, a tatuadora Luana Dórea viu a clientela feminina mais velha aumentar. “Eu tenho um público grande de mulheres com mais de 40”, conta. Muitas iam com alguém e ficavam com vontade, mas sem coragem. Luana encontrou uma forma de ajudar as indecisas. “Criei cartelas de tatuagens temporárias para as clientes saberem como ficaria. A aceitação foi tão boa que estou preparando novos desenhos”, revela Luana. 

A ideia também acabou atendendo à demanda das filhas de suas clientes. “Muitas trazem as meninas para o estúdio e eu fazia desenhos de canetinha pra ficarem igual às mães”, conta a tatuadora, que, de forma lúdica, está ajudando a criar uma nova geração sem preconceitos com tatuagem. Cada cartela tem uma média de 15 desenhos e custa R$ 25 (à venda no estúdio dela, no Ondina Apart, e no Ateliê Candida Specht, no Rio Vermelho).

A cartela de tatuagens provisórias de Luana Dórea: dá para testar antes de fazer a definitiva (Foto: Divulgação)

E as rugas?
Se antes a principal dúvida era fazer ou não uma tattoo, as perguntas agora são sobre em qual local do corpo a pele envelhece mais lentamente. “Partes moles, como barriga e parte interna do braço”, lista Luana. “Atendo muitas senhoras também e geralmente sugiro o pulso”.

Mulheres de 40
Inspirado no Dia Internacional da Mulher, acontece na próxima quarta-feira (20), às 18h, no Teatro Eva Herz (Livraria Cultura, no Salvador Shopping), o Mulheres de 40: bate-papo e desfile. Refletindo o papel da mulher contemporânea, o evento terá intervenções artísticas, moda, bate-papo e representatividade feminina.

A programação contará com um desfile de looks que trazem referências dos anos 70, 80 e 90, refletindo a influência dessas décadas na moda, com roupas e acessórios garimpados no Salvador Shopping.  “As peças são das novas coleções. Vamos trazer essas décadas em um contexto contemporâneo”, revela o produtor de moda Fagner Bispo. A beleza ficará a cargo de Dino Neto e sua equipe.  

Pela primeira vez, a Coluna Quanta – sob comando de Flavia Azevedo - levará ao palco do teatro um grupo de mulheres fortes para discutir, com a plateia, temas como prazer feminino, violência doméstica, direito feminista e empreendedorismo. “Será um bate-papo descontraído, como acontece com as versões impressas e digitais da coluna”, explica.

Para estimular o debate, estão confirmadas as presenças de Mariana Régis, fundadora da Rede Nacional da Advogadas Familistas Feministas e Mediadora de Conflitos; a baiana de acarajé Elaine Michele Assis Cruz, filha de Dinha do Acarajé; a major Denice Santiago, idealizadora e comandante da Ronda Maria da Penha na PM-BA; e a terapeuta tântrica Satta Prem.

Realizado pelo CORREIO, o Mulheres de 40 tem oferecimento do Bradesco, patrocínio do Hapvida e apoio de Vinci Airports, SESI, Salvador Shopping, Unijorge, Claro, Itaipava Arena Fonte Nova, Sebrae e Santa Casa da Bahia. O evento é aberto ao público. As inscrições podem ser feitas através deste link.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas