'Não é só um desfile': eventos de moda preta vão além da passarela

correio afro
19.04.2022, 06:00:00
Black Week conta com 15 modelos de Salvador e Região Metropolitana (Paula Fróes/ CORREIO)

'Não é só um desfile': eventos de moda preta vão além da passarela

Black Week acontece até a próxima quarta (20) e dá oportunidade de trabalho a 15 modelos negros e 15 bordadeiras de Pirajá

Quem acompanha desfiles de moda afro ouve a seguinte frase pelo menos uma vez por mês: “isso aqui não é só um desfile”. Com o tempo, parece até ser clichê, mas a realidade é que essa é uma frase que precisa ser afirmada e reafirmada em todas as oportunidades possíveis, pois é exatamente disso que se trata. 

Assim foi a abertura da segunda edição do Black Week, que lançou 15 modelos de periferias de Salvador e Região Metropolitana, valorizou marcas pretas e também vai beneficiar 15 mulheres bordadeiras de Pirajá. De fato, não é só um desfile.

Mas, então, o que seria de além? Uma primeira palavra para começar a descrever é oportunidade. Outro verbete bastante repetido e importante nesse tipo de evento. Por exemplo: João Victor, 20 anos, vai viajar para Milão em maio e fica por lá pelo menos até o mês de julho. Ele encontrou a chance de entrar na moda na PJT Models, que funciona no Pelourinho e trabalha com 70 pessoas negras, de crianças a adultos.

“É minha primeira viagem internacional, o que me deixa nervoso, né? Mas tenho a expectativa de crescer, ter várias oportunidades lá fora e também trazer as mesmas para meus colegas aqui do projeto”, contou João, que tem 1 ano e 8 meses de carreira na moda.

Nessa mesma linha, Wayla Lopes, 20 anos, falou sobre o evento: “são oportunidades da gente estar praticando, nos mostrando e se soltando na passarela. Eventos assim são muito importantes”, descreveu a jovem modelo do bairro de Portão, em Lauro de Freitas.

Idealizador do projeto, Pai Roberto de Iansã explicou que as atividades estão na rua desde dezembro de 2021. “Nossa ideia foi dar engajamento na carreira de modelos negros novos. Para isso, apostamos mais uma vez no olhar experiente desse caça-talento que é Sivaldo Tavares [fundador da PJT], nosso parceiro e que coordena esse casting”, explicou.

Serão três dias de evento. O primeiro, segunda-feira (18), teve desfile da grife Black Atitude, de Vander Charles, que apresentou a Oxumarê - cheia de cores e formatos. Também teve desfile voltado para moda praia a exibições do trabalho artesanal de Gerusa Menezzes, deusa do ébano do Ilê Aiyê em 1998 que hoje trabalha com turbantes e tranças. Ela fez um turbante nigeriano e um penteado black ao vivo.

Pedro Damasceno, 21 anos, na passarela (Foto: Paula Fróes/ CORREIO)

“Esses projetos nos ajudam a expandir. Nosso movimento preto tem grandes nomes por trás e com ele mostramos a beleza negra de várias formas. Existem várias formas de lutar e se empoderar e a moda é uma delas”, defendeu Vander.

Nos próximos dois dias, a programação começa a trabalhar com as bordadeiras de Pirajá. Elas trabalham na Associação Civil Filhos de Bárbara (ACFBA), também comandada por Pai Roberto de Iansã. Atuando no ramo desde 2014, Eunice Sales Correia, 65, será uma das bordadeiras a colocar seu trabalho na passarela. Nesta terça, a moda praia fica de lado e dá espaço ao Reichilieu e Bordados Desfiados. O encerramento terá um desfile temático, com moda de terreiros de candomblé.

“Desde 2014 trabalho com moda de santo. Esse projeto está sendo uma experiência muito boa, me sinto poderosa ao trabalhar para valorizar as minhas iguais”, resumiu a bordadeira.

Eventos como o Black Week costumam lançar uma série de talentos para o Afro Fashion Day, projeto do CORREIO que coloca na rua a passarela mais negra do Brasil. Como em todos os anos, o Afro Fashion Day acontece no mês de novembro, no dia 21, da Consciência Negra. As primeiras ideias para a edição deste ano começam a ser discutidas no próximo mês.

Mais de 250 modelos já passaram pela passarela do Afro Fashion Day, que já revelou muitos talentos e vai para a sua oitava edição. Entre eles, a top model Ana Flávia, primeira mulher negra vencedora do concurso Supermodel Of the World Brasil; Munik Lemos, que era vendedora de peixe frito na Ribeira e já participou de clipe da cantora Anitta.

Transformando vidas, alimentando sonhos, revelando talentos e gerando oportunidades, a moda preta faz jus ao seu próprio mantra: não é só um desfile de moda. Não tem por que ser assim e nem nunca será. Ainda bem.

Gerusa Menezzes faz turbante na modelo Michele

 (Foto: Paula Fróes/ CORREIO)

Um pouco mais sobre os modelos:

- Anny Nascimento
Idade: 20 anos
Bairro: Tancredo Neves

- Débora Sanjes
Idade: 27 anos
Bairro: Caixa D'Água

- Eloisa Sena
Idade: 19 anos
Bairro: Fazenda Coutos

- Felipe Apóstolo
Idade: 24 anos
Bairro: Luís Anselmo

- João Victor
Idade: 20 anos
Bairro: Engenho Velho da Federação
Curiosidade: Vai viajar para Milão e passar uma temporada de 2 meses trabalhando na Itália a convite de uma agência

- Lucas Ferreira
Idade: 22 anos
Bairro: Itapuã

- Matheus Souza
Idade: 20 anos
Bairro: Fazenda Grande do Retiro

- Mayla Lopes
Idade: 20 anos
Bairro: Portão

- Pedro Damasceno
Idade: 21 anos
Bairro: Trobogy

- Rafhael Santos
Idade: 25 anos
Bairro: San Martin

- Rita de Cássia
Idade: 17 anos
Bairro: Cajazeiras V

- Rodrigo Costa
Idade: 21 anos
Bairro: Engenho Velho da Federação

- Yasmin Matos
Idade: 18 anos
Bairro: Periperi

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas