Neto critica associação de bares e restaurantes após carta aberta: 'Inoportuna'

coronavírus
17.08.2020, 11:59:00
Atualizado: 17.08.2020, 12:00:19
(Divulgação)

Neto critica associação de bares e restaurantes após carta aberta: 'Inoportuna'

Prefeito diz que fiscalização ostensiva irá continuar por toda a cidade

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

O prefeito ACM Neto criticou nesta segunda-feira (17) uma carta aberta divulgada no final de semana pela Associação Brasileira de Bares e Restaurantes na Bahia (Abrasel-BA) questionando a fiscalização dos protocolos de reabertura de Salvador. Para a Abrasel, há um exagero por parte da prefeitura.

"Não adianta vir a Abrasel com uma nota muito inoportuna, muito irresponsável, se queixando da fiscalização ostensiva. E como fiscalizo? Vou fiscalizar à paisana? Hora nenhuma a GM ou PM entrou em qualoquer estabelecimento, isso não. Mas do lado de fora, pra equipe chegar de maneira completa, sim. Autoridade é para isso", afirmou Neto.

Ele disse que pediu para o secretário Municipal de Desenvolvimento e Urbanismo (Sedur), Sérgio Guanabara, uma postura rigorosa na fiscalização. "Tem restaurante que dentro está cumprindo protocolos, mas fora tava acontecendo aglomeração, em consequência do bar e do restaurante. Nós vamos interditar, a orientação que dei foi nesse sentido", afirmou Neto.

O prefeito afirmou ainda que a fiscalização vai continuar, de maneira severa, e nos lugares mais variados da cidade. "Não temos alternativa".

"Lamento que a Abrasel tenha dado essa nota, a grande maioria dos donos de bares e restaurantes estão absolutamente comprometidos com os protocolos que eles próprios ajudaram a construir, mas não é razoável que uma entidade que eu sempre reputei faça uma nota nesses termos. Fica meu repúdio aos termos da nota da Abrasel", continuou.

Crítica
A Abrasel criticou a punição dos estabelecimentos pelo não fechamento no horário limite determinado pelos protocolos, que é o das 23h. Dezesseis estabelecimentos foram interditados pela prefeitura no sábado, segundo balanço.

Para a entidade, o uso da força policial nas ações é "descabido" e a prefeitura na ação demonstra desconhecer a rotina dos bares e restaurantes. "Não permite mais a entrada de clientes após o horário de funcionamento imposto pelo protocolo, vindo a conduzir seus clientes a encerrar suas compras ou consumo para então o fechamento em definitivo de suas operações.”

A entidade diz respeitar o poder público. "Da mesma forma, (pedimos) que respeitem aos que de forma correta estão em plena atividade, retornando seu ofício dentro dos seus limites de responsabilidade”.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas