No Acre, fotógrafa encontra jacaré de 1 metro e meio na cozinha de casa

em alta
04.03.2020, 18:08:24
Atualizado: 04.03.2020, 18:41:35
(Foto: Reprodução)

No Acre, fotógrafa encontra jacaré de 1 metro e meio na cozinha de casa

'Achei que era um boneco', disse a mulher sobre a visita inusitada

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

A fotógrafa Mara Rejane recebeu uma visita inusitada na noite desta terça-feira (3). Ela foi, calmamente, até a cozinha de sua casa quando se deparou com um jacaré de mais de um metro dando um rolé calmamente pelo cômodo.

A profissional mora em Rio Branco, no Acre, e a sua casa fica próxima a um igarapé - o possível local de origem do invasor. Ao G1, Mara contou que estava em casa com o marido, quando ele foi na cozinha e voltou dizendo que tinha encontrado o animal.

Mesmo após ter sido descoberto, o predador se fez de sonso, permanecendo imóvel como nada de estranho estivesse acontecendo. Ao ver o bicho Mara, que é influencer, não pensou duas vezes e pegou o celular para mostrar a sua saga para seus seguidores. Na narrativa, o grandalhão foi até carinhosamente batizado como "Tody, o Jacaré".

Ao G1, ela contou que não acreditou quando o marido disse que o animal estava na cozinha e chegou a achar que ele estava fazendo uma brincadeira com ela. 

“Eu tinha ido um pouco antes lá na cozinha e não tinha visto nada. Até que meu marido, por volta das 8h da noite, foi lá, viu, e me chamou. Ele [jacaré] estava imóvel, parecia um boneco. No primeiro momento nem fui perto, mas achei que fosse um boneco, uma brincadeira”, relembra.

Animal tem mais de um metro e não foi agressivo, segundo Mara  — Foto: Arquivo pessoal

Foto: Reprodução

Resgate
Como havia chovido bastante, Mara acredita que isso tenha colaborado para a aparição do bicho. Ela disse que não chamou o Corpo de Bombeiros, mas contou com a ajuda de um vizinho, que é policial e possuía as técnicas necessárias para resgatar o bicho sem machucá-lo.

“Meu vizinho veio, pegaram uma corda, foi quando ele ficou mais aperreado, mas em nenhum momento o bicho estava agressivo. Ele era muito grande, acredito que tinha mais de um metro. Depois que ele foi imobilizado, colocamos ele em uma caminhonete e levamos de novo para o igarapé, que deve ser de onde ele deve ter saído”, conta.

O major do Corpo de Bombeiros Cláudio Falcão acredita que o animal tenha mais ou menos 1,5 metro. Ele conta que, como a fotógrafa contou com a ajuda de militares, não vê erros no resgate, mas orientou que é sempre bom acionar os bombeiros em uma situação como essa.

“Nada a criticar com a ação de resgate. Foi bom que resgatou, porque oferece um certo risco, mas ele interpreta que nós o ameaçamos, o animal só ataca para se defender. Agora a soltura sempre procuramos um local mais distante das casas para que o animal fique em segurança e as pessoas também. Mesmo assim, aconselhamos ter sempre o acompanhamento dos bombeiros”, orienta.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas