No dia de Exu, ebó coletivo marca protesto contra navio no Porto de Salvador

salvador
04.11.2019, 15:32:00
Atualizado: 06.11.2019, 11:00:59
(Marina Silva/CORREIO)

No dia de Exu, ebó coletivo marca protesto contra navio no Porto de Salvador

Ato ocorre no Porto de Salvador até às 19h; embarcação não abriu hoje

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.


Toda segunda-feira é dia de Exu. Ele está por todos os lados, em busca do que lhe é oferecido, defendem sacerdotes do candomblé. Não à toa, a oferenda dedicada ao orixá, nesta segunda (4), são corpos vivos. Os corpos negros da Frente Nacional Makota Valdina que formam o ebó coletivo. E eles se oferecem simbolicamente a Exu, no Porto de Salvador, no Comércio. 

Hoje não há matança ou despacho, mas o repúdio à demonização do Senhor do Corpo, assentado a poucos metros dali, na Baía de Todos os Santos. Mesmo lugar onde está atracado há dez dias o Logos Hope - navio cuja organização afirmou que a capital baiana é “conhecida pela crença das pessoas em espíritos e demônios”. A embarcação, administrada pelo grupo alemão de origem cristã Good Books For All (GBA), abriga a maior livraria flutuante do mundo. 

Por isso, o ebó é a resposta, explica a educadora social e ekede Lindinalva de Paula, 57, uma das que está à frente do coletivo. “Estamos oferecendo nossos corpos pela cultura de paz”, adianta ela, nos primeiros minutos do ato, iniciado às 10h. E explica que as oferendas são tão criminalizadas quanto Exu, de quem afasta qualquer relação com o demônio. 

“Assim como a oferenda, os orixás são demonizados e discriminados. Quase uma criminalização de nossa cultura. Para nós, do candomblé, a oferenda tem muitos sentidos. Hoje nossa oferenda é por pedido da paz que eles deveriam pregar ao redor do mundo”, diz, ainda em referência aos organizadores do Logos Hope, que ficou aberto à visitação até este domingo (3). O CORREIO não conseguiu contato com os administradores do navio, que segue atracado. 

Povo de santo realiza ato em frente a navio Logos Hope, no Porto de Salvador (Foto: Marina Silva/CORREIO)

Guiado por Exu
Ialorixá do Ilê Axé Abassá de Ogum, terreiro que funciona há 38 anos no bairro de Itapuã, Mãe Jaciara Ribeiro diz que o povo de santo recebeu a declaração do Logos com “toda indignação”. Nem as desculpas da GBA resolveram, diz.  Ela garante ainda que Exu está “nadando e resolvendo”. Ela explica que, no candomblé, o visível e o invisível se misturam.

Mesmo antes de chegar Salvador, em 25 de outubro, a mãe de santo afirma que o Logos já sofria a influência do orixá. “Exu guiou. E ele está aqui, sobre o assentamento dele. As pessoas precisam respeitar o nosso culto, a nossa história, os orixás”, diz ela, ao citar a descoberta arqueológica afundada em uma área que fica entre a Codeba e o Ferry Boat.

Jaciara pontua, contudo, que, de cristãos a evangélicos, ateus e agnósticos, cada um sofre a consequência dos próprios atos. “O tempo é o senhor de tudo. Quem sabe as pessoas compreendam um dia que nós não cultuamos demônios e que absolutamente todos nós colhemos o que plantamos. Em nome de tudo isso, somos o ebó coletivo, vestimos branco e pedimos paz”.

Ebó
Mais do que a oferta de comida ou objeto a um orixá, arriar uma oferenda envolve sentimento e preparação, defendem pais e mães de santo. Aos adeptos das religiões de matriz africana, o ebó é sagrado desde preparação. Para além disso, é algo que pode ser ofertado tanto para o bem, quanto para o mal, explica o doutor e professor do Programa de Pós-graduação em Antropologia da Universidade Federal da Bahia (Ufba), Ordep Serra.

“Uma das nomeclaturas de Exu, no candomblé, é Senhor dos Corpos. O ebó, em iorubá, significa oferenda. As pessoas julgam como sendo algo maléfico, mas isso não é verdade. Você pode fazer um ebó com a intenção A, B ou C. É um ato religioso que pode ser negativo ou positivo”, diz.

Quanto ao ebó coletivo em resposta ao post discriminatório do Logos Hope, interpreta: “Para mim, é meio que despachar o navio. Tipo ‘vai pra longe com a sua demonização’, neste caso, seria essa oferenda, mal recebida após aquela publicação”.

Assentamento de Exu na Baía de Todos os Santos (Foto: Andre Motta de Lima e Leandro Duran)

Para a professora e ekede Amanaiara Conceição Miranda, 48, a declaração feita é consequência de uma “colonização do saber”. Afirma que o “eurocentrismo”, ou seja, a valorização da cultura branca e de origem europeia, autoriza uma “investida contra religiões de matriz africana”, a exemplo do candomblé.

“Nos demos uma educação colonizadora. E isso é o que condiciona esse tipo de absurdo. Historicamente, sofremos disso, porque há uma colonização da educação”, opina.  

E até quem está longe de praticar o candomblé concorda. Pastor protestante, Djalma Torres participou do início do ato. Comenta que a declaração é “péssimo gosto” e, enquanto for tolerada, “haverá guerra” entre os homens. “São afirmações pecaminosas, que não considera a pluralidade das religiões, dos povos, da própria vida”. 

O pastor reflete ainda que, seja qual for a orientação religiosa, há possibilidade de praticar a crença em qualquer lugar do mundo. Djalma conclui o raciocínio ao afirmar que Salvador é de Jesus para os cristãos, Javé para os judeus e Oxalá para o povo de santo.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas
Correio.play
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/patroa-ajudou-crianca-que-caiu-de-predio-a-entrar-no-elevador/
Miguel, de 5 anos, morreu; petição que pede justiça tem mais de 77 mil assinaturas
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/morre-aos-85-anos-atriz-maria-alice-vergueiro-do-meme-tapa-na-pantera/
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/manifestantes-ateiam-fogo-em-onibus-na-paralela-veja-video/
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/rodamos-na-nova-versao-da-ranger-a-storm/
Em vídeo, jornalista automotivo analisa a cabine dupla diesel
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/idoso-de-81-anos-e-o-100o-paciente-com-covid-19-a-ter-alta-no-hospital-portugues/
Unidade comemorou liberação do homem, que deu entrada há seis dias com 50% do pulmão comprometido
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/depois-de-um-susto-targino-se-prepara-para-cantar/
Músico sofreu grave acidente de carro, mas escapou ileso e agora se prepara para fazer lives
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/sao-joao-sera-comemorado-com-maratona-de-lives-promovidas-pelo-correio/
Serão seis apresentações de bandas e cantores durante o projeto, que arrecadará doações
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/junho-chegou-correio-promove-lives-para-comemorar-o-sao-joao/
Apresentações acontecem sempre às sextas e sábados de junho, às 19h
Ler Mais