Nordexit: internautas brincam com ideia de separar o Nordeste do Brasil

em alta
04.08.2019, 06:39:00
Atualizado: 04.08.2019, 18:18:37

Nordexit: internautas brincam com ideia de separar o Nordeste do Brasil

Juazeiro/Petrolina seria Distrito Federal, 'Anunciação' o hino e Vitória maior campeão

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Foto: Reprodução/Twitter

Como dizia Ariano Suassuna, a humanidade é dividida em duas metades: de um lado, as pessoas que gostam do Nordeste. Do outro, os equivocados. Com um pensamento similar a este, internautas de bom gosto resolveram bolar uma ideia (e a gente vai junto) para se distanciar daqueles de opinião duvidosa: colocar uma fronteira entre os grupos. “O Nordeste é meu país”, bradavam os revolucionários mais empolgados, em postagens na última semana.

A ideia de separar os nordestinos dos meros mortais não é exatamente nova. O nosso povo, visionário do jeito que é, já vislumbrava tal possibilidade desde quando o Brasil era colônia. Mas os revolucionários de hoje apresentaram uma versão 2.0 do movimento. Alcunhas como "Sabinada" e "Confederação do Equador" são um tanto quanto demodê. O novo termo repaginado, levantado pelos emancipacionistas, é muito mais 'muderno': Nordexit.

A fagulha que desencadeou o espírito separatista do nordestino foi uma publicação do governador maranhense Flávio Dino, ao anunciar o “Consórcio Nordeste” - a união entre os nove governadores da região para defender assuntos comuns. Empolgados com a aliança entre os mandatários, ocorrida na mesma semana que o presidente Jair Bolsonaro chamou, em tom preconceituoso, os governantes da região de "paraíbas", os internautas começaram a vislumbrar uma possível nova nação. Veja algumas postagens.

República Popular do Nordeste
Os separatistas, inclusive, já começaram a bolar os planos de como seria o novo país. A capital seria localizada no coração da nação, juntando Juazeiro e Petrolina (pra não ter ciúme entre as maiores potências regionais), e seguindo o modelo de Brasília, que fica numa área mais centralizada do território.

O hino seria, indubitavelmente, o mais belo do mundo: 'Anunciação', de Alceu Valença. Muito melhor que 'A Marselhesa' francesa. 'Asa Branca' seria o hino à bandeira. 

Alguns elementos que são símbolos máximos do Brasil também perderiam a liderança no ranking de importância da nova nação. Assim, feijoada e samba cederiam o primeiro lugar em culinária e música, respectivamente, para cuscuz e forró.

No futebol, a seleção nordestina seria, sem dúvida, uma potência mundial. Eis um possível escrete: Jeanzinho no gol; na lateral, uma dupla mais entrosada que Cumpadi Washington e Beto Jamaica: Daniel Alves e Wendell; Dante e Jemerson fariam a zaga; a meiuca seria formada pela trinca Wallace, Hernanes e Anderson Talisca; já o trio de ataque faria inveja a qualquer Barcelona ou Real Madrid: Hulk, Roberto Firmino e Diego Costa. Para comandar esses cabras teríamos nada mais, nada menos que o treinador mais raiz do mundo: Givanildo Oliveira.

Parece que o jogo viraria
Mas a maior novidade no campo futebolístico seria a prova de que, no final das contas, “os humilhados serão exaltados”. Comumente zombado pelos tricolores por ainda não ter título um nacional, o Vitória seria simplesmente o maior time do Nordeste, pelo menos dentro de sua pátria. Com cinco Nordestões, o Leão da Barra passaria a estampar cinco estrelas acima do mamilo. Polêmico isso, ainda mais quando Bahia e Sport reivindicassem os títulos internacionais.

Imigração
Agora o principal: os feriados. Algumas das datas que poderiam ser contempladas são o 2 de Julho, que concorreria para ser um 'novo' 7 de setembro, o Dia do Padre Cícero e o Dia do Forró, que por sinal celebra o nascimento de Luiz Gonzaga, em 13 de dezembro, numa manjedoura de Exu (PE).

São João e Carnaval continuariam do jeito que estão, mas muitos turistas estrangeiros de São Paulo, Rio ou Minas, principalmente, talvez deixassem de vir por conta da exigência de passaporte. E para evitar qualquer tipo de perda de receita com o turismo, uma das primeiras missões do ParlaNordeste (o Congresso Nacional do novo país, que por sinal já existe).

A propósito, os pedidos de asilo feitos por aqueles que, por descuido geográfico, nasceram fora do novo país já começaram a aparecer, como mostram as mensagens que encerram este prenúncio bem humorado de pré-Nordexit. 

Faixa bônus: Elba Ramalho - Nordeste Independente - Ao Vivaço!

*Com orientação do editor João Gabriel Galdea.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas