'Nossa oscilação foi maior do que a gente esperava’, admite Roger

e.c. bahia
08.12.2019, 20:34:00
Atualizado: 09.12.2019, 12:55:04
Roger Machado, treinador do Bahia (Felipe Oliveira/EC Bahia)

'Nossa oscilação foi maior do que a gente esperava’, admite Roger

Técnico do Bahia avaliou desempenho do time no Campeonato Brasileiro de 2019

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

O Bahia acabou a Série A nos ‘quases’. Quase conseguiu a vaga na Libertadores, quase bateu recorde de pontuação, quase atingiu sua melhor posição no torneio. Vislumbrou tão alto que, mesmo fazendo uma boa campanha, a sensação que ficou aos torcedores foi de frustração. Ao fim da derrota por 2x1 para o Fortaleza, no Castelão, neste domingo (8), o técnico Roger Machado reconheceu o sentimento ruim.

“Claro que há frustração do torcedor pela expectativa gerada durante o ano. Fica um gosto amargo em função do que os atletas, do que o grupo fez e poderia fazer na competição. Nossa oscilação foi maior do que a gente esperava, nossa primeira parte foi tão boa que a gente perdeu poucas posições na tabela mesmo oscilando bastante”, comentou Roger.

Para o técnico, o calendário é culpado pelo rendimento. “A queda durante o campeonato é natural. Um campeonato muito longo. (...) Nossa queda coincidiu com o momento em que começaram os dois jogos por semana. Começaram jogos quarta e domingo, com pouco tempo de recuperação, com menor carga de treino para você conseguir corrigir os problemas que a gente vinha apresentando nas partidas e, coincidentemente, com declínio técnico das nossas lideranças e os pilares mais importantes até então”.

O elenco do Bahia entra de férias e só se reapresentará no dia 6 de janeiro de 2020. Com mais um ano de contrato, Roger garante que seguirá no clube - e já pensa na equipe.

“A gente vem forte para o ano que vem. Buscar avaliar o que fez de bom, onde pode melhorar, que posições precisamos buscar reforços, que outras tivemos avaliação de que estamos bem servidos, para iniciar um ano forte, um ano que vai ser de muita expectativa pelo que a gente fez também neste ano. Meu contrato já é vigente até o fim do próximo ano, e a permanência é certa”, garantiu.

Para o treinador, a manutenção de atletas é essencial. “Cada etapa que tu passas é um fortalecimento, é bagagem, é casca. Dá frustração, gera memórias. No momento seguinte que esses cenários acontecerem, você consegue superar. Por isso é importante ter a manutenção de jogadores”.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas