O cajado de Zuckeberg

tecnoporto
24.06.2021, 05:02:00

O cajado de Zuckeberg


Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

No final de abril escrevi aqui na coluna sobre uma reclamação de Zuckeberg (Facebook) depois que a Apple implementou uma ferramenta que deu aos usuários a decisão de impedir aplicativos, mesmo já estando instalados, de seguir e registrar suas atividades. O argumento do Facebook fundamentou-se na linha de acusar a empresa comandada por Tim Cook (Apple) de estar interferindo na liberdade do mercado e, a Apple, rebateu que estava exatamente prezando pela liberdade de escolha de seus usuários.

Mas como o mundo dá voltas esse mês foi a empresa de Zuckeberg que baixou o cajado da censura, tirando páginas que usavam ferramentas da brasileira mLabs do ar, alegando que infringiam as regras da empresa. O estranho é que as 332 mil páginas, que usam as ferramentas de gestão de redes sociais da mLabs estão funcionando há anos.

A tal “liberdade” e a proteção dela
Tanto no episódio da ação da Apple como na do Facebook, o que existe é algo que já cometei algumas vezes por aqui.

A internet e a tecnologia atrelada a ela não é livre, não é grátis e não é democrática. Não dá para assistir a todos esses movimentos sem lembrar de Tristan Harris, co-fundador e presidente do Centro para a Tecnologia Humana, aquele que foi executivo do Google e que falou no documentário “O dilema das redes sociais” a frase de maior impacto, que vira e mexe cito aqui: "Quando você não paga pelo produto, significa que você é o produto”.

Resumindo, toda vez que temos gigantes da tecnologia brigando e impondo regras de “defesa” da liberdade, é prudente lembrar que os produtos que oferecem são “gratuitos” e que, liberdade e privacidade são coisas cada vez mais utópicas na sociedade conectada em que vivemos. 

O cajado da LGPD
É por isso que, não tem jeito, chega o momento do estado colocar o seu cajado em ação e impedir que as empresas façam o que bem entendem. Aqui no Brasil quem promete aumentar esse controle é a LGPD (Lei Geral de Proteção de Dados), regulando o uso das redes e dos dados pessoais que circulam pelos inúmeros aplicativos e bancos e dados de empresas mas, é claro, nesse movimento de “proteção” é preciso ficar atento também.

Os interesses que movem o jogo político, bem conhecidos por todos nós, vêm sempre usando a mesma abordagem das gigantes da tecnologia, a de “fazer cumprir a lei”, “proteger o povo e a liberdade", “proteger o dinheiro público”, etc, etc. Mas basta olhar para o recente processo das vacinas no Brasil, ou ir puxando pela memória para outros momentos da história de qualquer país, para se ver que não é bem assim, nunca foi nem nunca será.

O que nos resta como sociedade, seja no contato com mega empresas de tecnologia, seja com a política, é procurar evitar agir com inocência, lutar pela transparência e entender que sempre que é levantada a bandeira da defesa da liberdade, infelizmente, tem alguém ganhando com ela… e geralmente não somos nós.
 

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas
  • Assinaturas: 71 3480-9140
  • Anuncie: 71 3203-1812
  • Ache Aqui Classificados: 71 3480-9130
  • Redação: 71 3203-1048