O dia em que Eric Clapton tomou um porre na Lavagem do Bonfim

baianidades
17.01.2021, 07:00:00

O dia em que Eric Clapton tomou um porre na Lavagem do Bonfim

Produtor musical lembra história de quando o famoso o cantor britânico não aguentou o tranco e saiu carregado da festa

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Famoso pelo talento monumental e desregramento no uso de álcool e drogas, o britânico Eric Clapton pediu arrego na Lavagem do Bonfim, no verão de 1975.

De tanto provar as misturas batizadas da Cidade Baixa, o exímio guitarrista subiu carregado as escadas até um pequeno apartamento transversal à Colina Sagrada. Lá, arriou por completo.  

Esta história, pouquíssimo conhecida, é contada pelo produtor musical aposentado Maurício Almeida, 70 anos. Com uma longa carreira na gravadora Warner, durante anos uma das mais importantes do país, Almeida ficou amigo de grandes artistas, produziu shows e discos célebres e, em meados da década mais doidona do século, recebeu a insólita missão de ciceronear a grande estrela internacional do rock no verão de Salvador.

“Foram dez dias de Eric Clapton por aqui. Ele não veio para fazer show ou gravar músicas. Estava de férias e veio conhecer a cidade. Ficou hospedado na Pousada do Carmo, no Santo Antônio. Por isso, montei uma programação para que conhecesse Salvador, tanto de dia quanto de noite”, relembra.

Eric chegou acompanhado daquela que seria sua futura esposa, Patty Boyd-Harrison (ex-mulher do beatle George Harrison), e de um staff que incluía assessores, músicos e seu poderoso empresário, o magnata australiano Robert Stigwood, também produtor dos Bee Gees.

Enquanto os passeios matutinos incluíam visitas às praias de Piatã e São Tomé de Paripe – onde jogou bola na areia, chupou picolé e mergulhou de calção - à noite as incursões eram por bares, restaurantes e na badalada boate Bual’Amour, na Boca do Rio.

Patty Harrison e Eric Clapton foram casados até 1989 e teriam visitado a Bahia em 1975
(Foto: Divulgação)

“Em uma dessas noites, eu combinei com o DJ pra tocar uma música dele, sem que percebesse. Eric ficou todo contente porque percebeu que gostavam do som dele aqui no Brasil”, diz Almeida, orgulhoso da traquinagem.

Carreira de sucesso
Àquela altura, o nome de Clapton já figurava no hall dos grandes artistas mundiais, após a polêmica dissolução, em 1969, do conjunto Cream, que o havia catapultado para o sucesso.

Impulsionado pelo hit “Let It Rain”, um ano depois, escalou o estrelato em carreira solo e recebeu a aceitação do público e da crítica. Quando desembarcou na Bahia, em 1975, trazia a tiracolo o sucesso “I Shot the Sheriff”, gravada e composta originalmente por Bob Marley.

“Como estávamos em janeiro, eu tive a ideia de levá-los na Lavagem do Bonfim. Era uma experiência que eu sabia que ele gostaria, afinal era um cara muito curioso e tinha ficado muito interessado nas cores, sons e ritmos da Bahia. Fomos em dois carros Ford Galaxie até bem perto da igreja, porque nessa época a lavagem não fechava as ruas da cidade”, revive Almeida.

Durante o cortejo, o assédio praticamente não existiu. Uns poucos roqueiros ainda interpelaram Clapton para um abraço mais efusivo, sendo cordialmente recebidos. No geral, no entanto, foi prontamente confundido como mais um gringo boquiaberto com aquela quantidade de gente na rua.

O produtor Maurício Almeida circulava ao lado de grandes nomes da música nacional e internacional, como Roberto Carlos e Jimmy Cliff
(Fotos: Acervo pessoal)

“Chegamos na basílica por volta das 11h da manhã. Vimos um pouco do cortejo e depois Eric e Patty quiseram parar em um bar onde tava rolando música ao vivo, com os meninos tocando pandeiro e percussão. Eles ficaram lá, bebendo e adorando aquela música toda”, recorda.

Dali, o britânico perderia completamente a hora e a linha. Lá pelas quatro da tarde anunciou que estava passando mal. O forte sol na cabeça e as misturas ingeridas em profusão o fizeram cambalear. Os assessores rapidamente montaram um amparo, enquanto Maurício se embrenhou na multidão atrás de um socorro. No meio do caminho, lembrou do apartamento de um amigo.

“Corri para um orelhão e liguei. Quando atendeu, disse: ‘Cara, preciso que me empreste seu apartamento. Tô com Eric Clapton aqui e ele tá passando mal’. Ele só acreditou quando viu a gente subindo as escadas com o cantor sendo puxado pelos assessores”, diz, rindo.

Capa do disco No Reason To Cry, que Maurício garante ter emprestado a jardineira para o famoso guitarrista
(Foto: Divulgação)

Clapton ficou dormindo na cama emprestada e só acordou por volta das onze da noite. Disse que estava bem e queria voltar para o hotel. Maurício lamenta não ter fotos daquele dia, mas assegura a veracidade da história. 

Garante ainda que, no álbum No Reason To Cry, de 1976 - um ano depois da visita à Bahia -, Clapton prestou sua homenagem ao estado com a música “Carnival”, onde ele canta: “Venha comigo para o Carnaval”. Clique aqui para ouvir.

E ainda vai além. “Aquela camisa na capa do disco de 1976, eu que dei a ele. Era uma jardineira da Lubrax que comprei pra brincar o Carnaval. Mas ele gostou tanto que dei de presente. A música Carnival e a capa do disco foram formas que ele encontrou para agradecer a hospitalidade dos baianos naqueles dias”, pontua Maurício.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas