O que podemos analisar das mil mortes por covid-19 na Bahia?

podcast
12.06.2020, 18:30:00
Atualizado: 12.06.2020, 19:16:59

O que podemos analisar das mil mortes por covid-19 na Bahia?


Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

A Bahia amanheceu nesta sexta-feira (12) com mais de mil mortes por covid-19 no estado. Um marco negativo que demorou 74 dias para ser batido desde que a primeira morte foi registrada, no dia 29 de março, data do aniversário de Salvador.

Os números cresceram rapidamente. Há um mês, eram 225 óbitos, quantidade que hoje parece pequena diante da situação. Em 12 de abril, então, parecia outra realidade: eram 12 vítimas. Das mil mortes, a maioria é formada por homens, e quase 80% são portadores de alguma doença pré-existente.

O que podemos analisar a partir desses dados? A escalada de mortes vai continuar? Estamos mais próximos de um platô? Como a covid-19 atua junto às doenças pré-existentes? Por que os homens são maioria entre as vítimas? Conversamos sobre esses detalhes com a Dra. Glória Teixeira, epidemiologista professora do Instituto de Saúde Coletiva da Universidade Federal da Bahia (UFBA).

Para ouvir, clique no player abaixo ou faça download. Você pode ouvir também no seu aplicativo preferido:

Para ouvir no Deezer, clique aqui.
Para ouvir no Spotify, clique aqui.
Para ouvir no Apple Podcasts, clique aqui.
Para ouvir no Google Podcasts, clique aqui

SALVADOR UNIDA 
O Correio está reunindo exemplos de ações sociais, conteúdos de diversão para a criançada, programações musicais online, cursos, e tudo o que possa ajudar a trazer mais leveza para esse período de isolamento social. Confira: https://bit.ly/salvadorunida

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas