Operação Faroeste: acusado de pedir propina em nome de juiz é preso em Barreiras

bahia
17.06.2021, 14:50:10

Operação Faroeste: acusado de pedir propina em nome de juiz é preso em Barreiras

Também foram cumpridos mandados de busca e apreensão em endereços ligados a ele

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Em sua oitava fase, a Operação Faroeste realizou, na manhã desta quinta-feira (17), a prisão temporária de um homem em Barreiras. A operação busca desarticular um possível esquema criminoso voltado à venda de decisões judiciais por juízes e desembargadores do Tribunal de Justiça do Estado da Bahia (TJ-BA). O homem preso foi flagrado cobrando propina a um escritório de advocacia para custear as despesas de um magistrado preso na 2ª fase da operação.

Também foram cumpridos mandados de busca e apreensão em endereços ligados ao referido operador. Tais medidas cautelares são decorrentes de representação da Procuradoria Geral da República (PGR) e foram determinadas pelo relator do caso no Superior Tribunal de Justiça (STJ), o ministro Og Fernandes.

As evidências reunidas pela Polícia Federal sinalizam que o valor solicitado alcançaria R$ 2,2 milhões.

A prisão é temporária, mas pode ser prorrogada após os cinco dias iniciais, se ficar comprovada a necessidade de extensão. Na representação em que pede as medidas, a PGR enfatizou a participação do referido operador no microssistema criminoso, que incluiu a anulação e restabelecimento de decisões administrativas e de liminares, além da adulteração de documentos e movimentações bancárias por envolvidos no esquema.

A intenção, com as as medidas cautelares, é recolher elementos que permitam a continuidade da investigação acerca dos possíveis crimes de corrupção e lavagem de dinheiro.

Operação Faroeste
Deflagrada em 2019, a Operação Faroeste iniciou sua atuação com o propósito de apurar a existência de uma organização criminosa formada por magistrados e servidores do TJ/BA, além de advogados, empresários e intermediários.  A atuação do grupo inclui a sistemática comercialização de sentenças judiciais, com o propósito de favorecer a grilagem de terras na região oeste do estado. Ao longo dos últimos meses, no entanto, novas frentes do esquema foram descobertas e seguem em investigação.

Parte dos envolvidos já foi denunciada e responde a ação penal do STJ. Desde o início da Operação, cerca de 12 pessoas foram presas provisoriamente por ordem judicial.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas
  • Assinaturas: 71 3480-9140
  • Anuncie: 71 3203-1812
  • Ache Aqui Classificados: 71 3480-9130
  • Redação: 71 3203-1048