Orca de duas toneladas encalha em Guarajuba: ‘Coisa bem rara’

bahia
01.08.2020, 20:26:13
Atualizado: 02.08.2020, 07:24:17
(Foto: Leitor CORREIO)

Orca de duas toneladas encalha em Guarajuba: ‘Coisa bem rara’

Chances de resgate e reabilitação do animal são mínimas, afirma bióloga

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Uma orca fêmea, pesando cerca de 2 toneladas, encalhou na Praia de Guarajuba, em Camaçari, Região Metropolitana de Salvador, neste sábado (1º). Segundo o Projeto Baleia Jubarte, que dá apoio à tentativa de resgate do animal promovida pelo Instituto Mamíferos Aquáticos (IMA), a informação de que o animal estava na praia chegou por volta das 15h30. 

A princípio, a notícia era de que um filhote de baleia jubarte estivesse encalhado, situação que foi esclarecida assim que os técnicos das duas instituições chegaram ao local. 

Classificada como uma “coisa bem rara” por um membro do Projeto Baleia Jubarte, a aparição do animal, que é uma espécie de golfinho, reuniu também curiosos durante todo o final de tarde, na tentativa de devolvê-lo ao mar.

Ao CORREIO, a bióloga Luena Fernandes, do Projeto Baleia Jubarte, contou que as chances de que o animal sobreviva são pequenas. “A gente sabe que esses animais, quando encalham, já estão bastante debilitados, ou doentes, e as chances de sobreviver são sempre mínimas”, comentou ela, considerando principalmente as condições da maré, que baixou no final da tarde.

Com cerca de 3,5 metros de comprimento, e as duas toneladas, o recuo da maré dificultou ainda mais a tentativa de salvar a orca. Os técnicos do IMA estão analisando a melhor forma de buscar o retorno da orca ao mar, incluindo a possível retirada do animal da praia para reabilitação. 

As tentativas de devolução, feitas mais cedo por moradores e banhistas, acabaram não dando certo. “Foram feitas várias tentativas de devolver o animal para o mar, pelas pessoas da praia, e ela voltou duas vezes. Depois, quando nós do Projeto Baleia Jubarte chegamos lá, e a veterinária do IMA – que é quem atende encalhe de golfinhos, pequenos cetáceos aqui no Litoral Norte – avaliou o animal, nós fizemos uma última tentativa, aproveitando o restinho de maré, mas infelizmente a maré estava secando”, relatou Luena.

As orcas não são muito frequentes no Litoral Norte baiano, mas é uma área de ocorrência delas. Não há, no entanto, registro recente de encalhe de orcas na costa da Bahia.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas