Os vinhos finos e subversivos da Serra da Mantiqueira

paula theotonio
23.05.2019, 10:12:00
Atualizado: 23.05.2019, 10:36:30

Os vinhos finos e subversivos da Serra da Mantiqueira


Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Entre os estados brasileiros de São Paulo e Minas Gerais, em meio à Serra da Mantiqueira, enólogos estão invertendo as regras de como se faz vinhos em regiões frias da América do Sul.

A “subversão” acontece no campo, onde para fugir das chuvas de verão, inverteu-se o ciclo produtivo: a videira começa a brotar em fevereiro, floresce em março, forma cachos em abril, amadurece entre maio e junho e a colheita é feita em pleno inverno, entre julho e agosto. Enquanto isso, na maior parte das regiões produtoras sul-americanas (exceto Vale do São Francisco e Atacama, no Chile), as plantas hibernam até a primavera para, então, recomeçarem a produzir.

O método, chamado de “dupla poda”, foi criado no início dos anos 2000 pela Empresa de Pesquisa Agropecuária de Minas Gerais (Epamig). A técnica foi emprestada do universo do café – cultivo tradicional na região. Os primeiros vinhos chegaram ao mercado em 2013; e a estreia ficou por conta do Primeira Estrada Syrah, da Vinícola Estrada Real (Três Corações - MG).

“Nosso inverno é seco e com dias muito quentes, graças aos ventos do Atlântico – com temperaturas entre 25 °C e 28°C, que elevam o nível de açúcar e, consequentemente, do álcool na bebida. E as noites são muitos frias. Essa amplitude térmica traz complexidade aromática muito interessante aos vinhos da região”, conta o gerente de produção da Casa Verrone, Marcelo Grespan. A vinícola está localizada entre os municípios de São José do Rio Pardo e Itobi - SP.

Cristian Sepúlveda é responsável pela produção na Vinícola Guaspari (foto/divulgação)

Clique aqui para ver uma entrevista exclusiva com Marcelo Grespan.

Mas não é só isso que faz a produção vinícola daquela região ser tão interessante. Os parreirais estão distribuídos em áreas entre 800 m e 1300 m acima do mar, em solo granítico e arenoso. Há quem diga que são situações de terroir bem similares à de Côtes du Rhône, na França; e Barossa Valley, na Austrália, onde a uva Syrah brilha. E, como não poderia ser diferente, os rótulos elaborados a partir desta cepa são ícones no novo terroir brasileiro.

Entre eles, estão os rótulos Casa Verrone Syrah Speciale 2017 e o Casa Verrone Syrah Colheita Especial 2018, ambos ganhadores de medalhas de bronze no Decanter World Wine Awards 2019, uma das maiores premiações mundiais do vinho. Em anos anteriores, brilhou o Guaspari Vista do Chá Syrah, que teve safras subsequentes premiadas com medalha de ouro nos concursos Decanter World Wine Awards 2016 e 2017.

Chardonnay da Guaspari (foto/Paula Theotonio)

Veja agora uma entrevista com o enólogo da Vinícola Guaspari, Cristian Sepulveda

“Nosso intuito é fazer vinhos gourmet, com produção limitada. Hoje temos 50 hectares, de onde saem cerca de 100 mil garrafas ao ano. São vinhos de guarda, finos e que levam o conceito de terroir”, conta o enólogo e engenheiro agronômico Cristian Sepúlveda, responsável pela produção na Guaspari. A vinha está em Espírito Santo do Pinhal, a cerca de 200 km da capital paulista.

Entre os brancos, há bons resultados com a uva Chardonnay e Sauvignon Blanc na Casa Verrone. Mas talvez seja caso de também observar os resultados com a Viognier da Guaspari, uva de vinhos florais que também se deu super bem no Rhône.

Vinhos da Serra da Mantiqueira (foto/Paula Theotonio)


Abaixo, lista de excelentes rótulos para você apostar:

· Espumante Carvalho Branco Nature;

· Espumante Villa Mosconi Brut;

· Casa Verrone Gran Speciale Cabernet Sauvignon/Franc;

· Primeira Estrada Syrah;

· Primeira Estrada Chardonnay;

· Guaspari Cabernet Franc/Sauvignon Vista da Serra;

· Guaspari Cabernet Franc, Merlot e Cabernet Sauvignon Vista da Serra;

· Guaspari Chardonnay Vista da Serra.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas
  • Assinaturas: 71 3480-9140
  • Anuncie: 71 3203-1812
  • Ache Aqui Classificados: 71 3480-9130
  • Redação: 71 3203-1048