Paraíso Perdido: laudo nega suicídio e viúva é indiciada por homicídio

bahia
19.04.2022, 21:19:00
(Foto: Reprodução)

Paraíso Perdido: laudo nega suicídio e viúva é indiciada por homicídio

Maqueila, amiga de Shirley, também foi indiciada por participação no crime

O laudo pericial da morte de Leandro Troesch, dono da pousada Paraíso Perdido, em Jaguaripe, no Recôncavo Baiano, apontou que não houve suicídio. Com o resultado, o delegado Rafael Magalhães, responsável pelas investigações, concluiu o inquérito policial e o encaminhou à Justiça na tarde desta terça-feira (19). 

Shirley da Silva Figueredo, companheira de Leandro, foi indiciada por homicídio. Ela está foragida. Já Maqueila Bastos, amiga de Shirley, foi indiciada como partícipe do crime. Na última quarta-feira (13), a Justiça decidiu manter a prisão temporária de Maqueila Bastos, que permanece no Presídio Feminino, localizado no Complexo Penitenciário da Mata Escura, em Salvador. 

"O laudo chegou e me disse tudo. Juntei com as provas periciais e concluí o inquérito. Eu ainda tinha mais alguns dias, mas como confirmou que não foi suicídio, não tinha mais porque aguardar", disse o delegado Rafael Magalhães ao CORREIO.

Leandro Troesch foi encontrado sem vida dentro de um dos quartos de sua pousada de luxo, com marca de tiro na cabeça, em 25 de fevereiro deste ano. Segundo Magalhães, o laudo revelou também que não havia vestígios de pólvora nas mãos de Leandro, mais um elemento que descarta que ele tenha efetuado o disparo em si mesmo.

"Não havia pólvora nas mãos do cadáver. Também deu negativo nas mãos de Shirley, mas ela lavou as mãos e tomou banho após o crime", completou. 

Pousada onde Leandro foi morto (Foto: Divulgação)

Ainda de acordo com o delegado, a polícia não teve tempo de confrontar as informações passadas por Shirley após o crime. Na época, ela alegou que estava no banho quando ouviu o disparo de arma de fogo. "No dia [do crime], ela foi ouvida rapidamente pelo delegado que fez o levantamento cadavérico e, depois, não foi mais ouvida, pois fugiu", explicou.

Apesar de estar desaparecida desde que as investigações começaram, o delegado Rafael Magalhães acredita que Shirley está escondida em Sergipe.

"Maqueila nega que tenha informações sobre o paradeiro de Shirley, mas nós tivemos informações, através de pessoas que foram ouvidas, até mesmo no distrito, que ela foi morar em Aracaju. A polícia continua procurando e, se estiver por lá, será capturada", concluiu o delegado.

Maqueila Bastos também foi localizada pela polícia em Aracaju. Lá, ela estava escondida na casa que pertence a uma amiga que conheceu em Jaguaripe. O CORREIO não conseguiu falar com os advogados de Shirley e Maqueila até a publicação desta reportagem.

O inquérito referente à morte de Marcel da Silva Vieira, conhecido como Billy, que trabalhava com Leandro na Paraíso Perdido e foi morto no dia de seu depoimento, também já foi concluído. Cinco pessoas foram indiciadas por homicídio, entre elas Jania dos Santos Santana - que  tinha um envolvimento afetivo com a vítima -, um homem identificado como Alan, e um adolescente de 17 anos. Os três estão detidos. 

Entenda o caso
A pousada começou a alimentar os noticiários policiais com as prisões de seus donos, Leandro Silva Troesch e Shirley da Silva Figueredo, em fevereiro de 2021, após serem condenados por roubo e extorsão mediante sequestro contra uma mulher em Salvador. Um ano depois, Leandro foi encontrado morto dentro de um dos quartos - ele e Shirley estavam respondendo pelos crimes em liberdade.

Desde então, mais fatos foram surgindo, assim como novos envolvidos. Após o sumiço de Shirley, a polícia chegou até o nome de uma amiga dela, Maqueila Bastos. Elas se conheceram no presídio feminino. Os investigadores descobriram ainda que Maqueila havia sido demitida da pousada dez dias antes da morte de Leandro, que não aprovava a amizade entre a esposa e ex-presidiária.

Sem Shirley e Maqueila, a polícia contava com o depoimento de Marcel Silva, o Billy, amigo de infância de Leandro que o reencontrou no Complexo Penitenciário da Mata Escura, em Salvador.  Marcel era uma pessoa de confiança de Leandro e por isso era considerado "peça-chave" no inquérito que apura a morte do patrão, mas foi assassinado um dia antes de prestar depoimento

Diante das novas informações, a polícia considerou importante o interrogatório de Shirley e Maqueila e por isso as prisões delas foram decretadas pela Justiça. Somente Maqueila foi localizada. Ela estava em Aracaju e foi trazida para Salvador, onde ficou custodiada na Delegacia Especial de Repressão a Crimes contra a Criança e o Adolescente (Derrca). Atualmente, Maqueila se encontra no Presídio Feminino.

A Paraíso Perdido, situada na Praia dos Garcez, continua funcionando.

Os empresários Shirley Figueredo e Leandro Troesch, presos na sexta (19)

Shirley e Leandro

Cronologia de fatos relacionados à Pousada Paraíso Perdido

19.02.2021 - Leandro e Shirley são presos dentro da luxuosa Pousada Paraíso Perdido. Polícia cumpre mandados de prisão: casal foi sentenciado pelos crimes de roubo extorsão mediante sequestro contra uma mulher em Salvador. 

Outubro de 2021 - Shirley deixa o Presídio Feminino para responder o crime em liberdade, juntamente com Maqueila, com quem fez amizade na cela. Shirley resolve abrigar Maqueila na pousada. 

Dezembro de 2021 - É a vez de Leandro deixar o Complexo Penitenciário da Mata Escura, em Salvador. Ele passa responder o crime em liberdade para fazer um  procedimento médico. Voltar a assumir a direção da pousada e não gosta da aproximação de Shirley com Maqueila. 

26.02.2022 - Leandro é encontrado morto com um tiro na cabeça em um dos quartos da pousada. Polícia diz que a morte  é investigada e que não descarta as possibilidades de suicídio e homicídio. Horas depois, Shirley não foi localizada na cidade para prestar um segundo depoimento e a justiça decreta a prisão dela, a pedido do delegado Rafael Magalhães, por descumprir decisão judicial que a obrigava permanecer na pousada. Maqueila também não é localizada. 

06.03.2022 - Marcel é assassinado um dia antes de prestar depoimento sobre a morte de Leandro. Ele era considerado uma pessoa de confiança do empresário e por isso a polícia diz que ele era uma peça-chave para elucidação da morte do patrão. 

Marcel, o Billy, foi morto no dia que daria depoimento

08.03.2022 - Polícia diz que Leandro discutiu com Shirley momentos antes de sua morte. Funcionários relataram a briga do casal no mesmo quarto onde o corpo foi encontrado. Os detalhes da discussão não foram rebelados pelo delegado Rafael Magalhães, responsável pela investigação. 

10.03.2022 - Delegado Rafael Magalhães diz que já tem a localização de Shirley e Maqueila. A Polícia Interestadual (Polinter) aciona unidades policiais de outros estados. Nesse mesmo dia, a polícia baiana informa que Shirley havia determinado que três funcionários pegassem dinheiro e joias de um cofre da pousada

11.03.2022 - Marcel é enterrado em Salvador. A polícia já tinha identificado quatro dos cinco envolvidos diretamente no crime, entre eles um adolescente e uma mulher, que teria atraído a vítima para uma emboscada. Marcel respondia em liberdade por diversos assaltos e a sua morte estaria ligada ao tráfico de drogas, segundo as investigações. 

14.03.2022 - Justiça decreta prisão temporária de Shirley e Maqueila. Polícia pediu para que ambas pudessem ser ouvidas no inquérito que apura a morte de Leandro. 

24 03.2022 - Maqueila é presa em Aracaju. Ele estava em um carro de luxo que não tinha devolvido à uma locadora.  Delegado Rafael Magalhães diz que Maqueila estava na casa de uma amiga que mora em Jaguaripe. 

Foto: Reprodução/TV Bahia

01.04.2022 - Polícia indicia cinco pessoas pela morte de Marcel. São eles: um adolescente, uma mulher e três homens. Polícia diz que deve encerrar o inquérito ainda neste mês. Destes, apenas um está foragido.

05.04.2022 - Maqueila é transferida de Aracaju para Salvador. Ela fica custodiada na Delegacia Especial de Repressão a Crimes contra a Criança e o Adolescente (Dercca), porque em Salvador não há nas delegacias celas exclusivas para mulheres. 

06.04.2022 - Começou na circular grupos de aplicativo de mensagens um trecho de um áudio de uma suposta conversa entre Leandro e Maqueila.  Na gravação, um homem, que seria Leandro, diz que está numa "situação bem vulnerável" após descobrir um problema nas contas da pousada, e relata que está sendo medicado por transtornos emocionais.

07.04.2022 - Maqueila relata em seu depoimento nomes, lugares e circunstâncias que, segundo delegado Rafael Magalhães, ajudaram na investigação da morte de Leandro. Ainda durante o interrogatório, o delegado descobre que foi retirado do caso e se mostra insatisfeito - a transferência dele para outra cidade foi publicada no Diário Oficial junto com a nomeação do novo  titular de Jaguaripe. Mas no final da noite, a Polícia Civil voltou atrás e manteve Magalhães na investigação. 

08.04.2022 - Em uma foto publicada em  perfil do Instagram, Maqueila exibe no braço direito uma aliança dourada contendo a letra "S" e o nome de Shirley tatuado ao lado do desenho de um coração . O advogado João Neto dia que "existe uma relação de amizade muito próxima". "Isso é normal, um homenagem entre pessoas que são muito amigas", disse. 

Maqueila tem nome de mulher de dono da pousada tatuado no braço

Maqueila tem nome de Shirley tatuado no braço 

13.04.2022 - Tribunal de Justiça da Bahia informa que Maquila já está no Presídio Feminino e passará por audiência de custódia nesta terça-feira (13).

***

Em tempos de desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informações nas quais você pode confiar. E para isso precisamos de uma equipe de colaboradores e jornalistas apurando os fatos e se dedicando a entregar conteúdo de qualidade e feito na Bahia. Já pensou que você além de se manter informado com conteúdo confiável, ainda pode apoiar o que é produzido pelo jornalismo profissional baiano? E melhor, custa muito pouco. Assine o jornal.


Relacionadas