Paris acelera o blockchain

artigo
22.06.2018, 05:00:00
Atualizado: 22.06.2018, 16:59:59

Paris acelera o blockchain

Eduardo Athayde é diretor do WWi-Worldwatch Institute no Brasil

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

A França tornou-se, esta semana, anfitriã do primeiro acelerador blockchain da Europa, colocando Paris como capital dos ICOs - Initial Coin Offering (Oferta Inicial de Moedas), uma mistura de financiamento coletivo e IPOs - Initial Public Offering (Oferta Pública Inicial). ICOs e IPOs são formas públicas de captação de recursos onde o investidor participa de parte do negócio acreditando no potencial de crescimento, enquanto o empresário abre a sua empresa para sócios.

Enquanto as IPOs lidam com investidores, ICOs lidam com apoiadores e campanhas de financiamento coletivo (crowdfunding), obtenção de capital para iniciativas de pessoas físicas interessadas na área. Embora ainda seja um meio não regulado, o ICO, usado por startups para escapar dos processos rigorosos de financiamento exigidos pelos capitalistas de risco e pelos bancos, está ganhando espaços e dando também suporte aos projetos de criptomoedas.

O Chain Accelerator está na Estação F, de Paris, apontada como o maior campus de startups do mundo. O ministro das Finanças Bruno Le Maire, anfitrião, advertiu que a França “não deve perder a revolução blockchain”. Pierre Person, membro da Assembleia Nacional de Paris, acrescentou: “Os projetos de blockchain enfrentam muitas incertezas e complexidades, sejam financeiras, legais ou técnicas. No entanto, esta tecnologia vai revolucionar nosso cotidiano”.

O CEO do provedor de serviços financeiros do banco suíço UBS Group, Sergio Ermotti, disse que o blockchain será essencial para o setor de serviços financeiros, enquanto o gigante de varejo dos EUA, Walmart, anunciou que estava pronto para usar blockchain em seu negócio de alimentos vivos e, juntamente com a IBM, desenvolveu um sistema que reduzirá o desperdício de alimentos, melhorando o gerenciamento.

O blockchain será transformador para a base de custos da indústria dentro de poucos anos e priorizar a aplicação dessa tecnologia garantirá que o UBS permaneça competitivo, para isso, juntou-se a uma parceria com a IBM, o Bank of Montreal, o CaixaBank e o Commerzbank para transações piloto, dentre elas a que envolve envio de carros da Alemanha para a Espanha. A Microsoft, na corrida, revelou uma nova parceria para desenvolver sua própria plataforma de rastreamento de produtos baseada em blockchain visando garantir a rastreabilidade e visibilidade na cadeia de suprimentos.

No mundo globalizado, onde as partes conectam-se rapidamente no ambiente virtual, o sistema de blockchain desenvolvido pela Autoridade Portuária de Roterdam, na Holanda, com informações online sobre o fluxo global de cargas, foi apresentado recentemente no auditório da Codeba, no Porto de Salvador, pelo vice-presidente da American Association of Port Authorities (AAPA), Rafael Ballart, revelando o potencial da inovação para os portos da Baía de Todos os Santos, apresentados pela poderosa AAPA ao mundo como Capital da Amazônia Azul.

Enquanto a aceleração da economia digital internacional, mostrada em Paris, expõe padrões exponenciais, os jovens líderes empresariais inovadores da antenada Associação Baiana de Startups - Abas (abastartups.com.br), abastecidos com inteligência nova e sintonizados com a velocidade da comunidade global, impõem um novo tom disruptivo aos negócios locais, agregando mudanças no padrão de comportamento do seu carismático, cativante e hospitaleiro ponto do planeta.

Eduardo Athayde é diretor do WWi-Worldwatch Institute no Brasil

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas