Passageiro de Salvador precisa mudar cultura e fazer transbordo, diz Bruno Reis

salvador
15.10.2021, 15:13:00
Atualizado: 15.10.2021, 15:15:13
(Arquivo CORREIO)

Passageiro de Salvador precisa mudar cultura e fazer transbordo, diz Bruno Reis

"Vai pegar o ônibus, passar para o metrô, ir pro BRT, pegar outro ônibus complementar. Mas vai ser muito mais rápido", avalia

O prefeito Bruno Reis disse nesta sexta-feira (15) que o passageiro de Salvador precisa mudar sua cultura em relação ao transbordo. Durante inauguração de nova sede da Sempre, ele foi questionado sobre a situação do transporte público na capital baiana e falou um pouco sobre o assunto. 

Bruno disse que problemas de aglomeração são comuns em horário de pico. "Ocorre aglomeração no transporte público em horário de pico em todo lugar do mundo", acredita. Ele diz que houve diminuição de passageiros com a pandemia e mesmo com retorno de várias atividades o número de passageiros ainda não voltou ao mesmo nível de antes.

"A frota não voltou 100% porque estamos transportando 60% do público que era transportado antes. Quando a concessão foi feita, eram 18 milhões de passageiros. Antes da pandemia, estávamos com 21 milhões. Depois, caiu pra 10,8 e, agora estamos chegando a 15 milhões de passageiros no mês", disse. O sistema já adquiriu 150 ônibus novos e 70 entraram em circulação, enquanto os outros estão entrando no dia a dia. Ônibus novos estão chegando com ar-condicionado e um conforto maior para trazer segurança aos passageiros", garantiu.

Para Bruno, o sistema de ônibus era o único precisando de ajustes e as pessoas que devem aprender a utilizar mais o transbordo e os demais modais. "Em relação aos ajustes, nós tínhamos antes apenas o sistema de ônibus. Agora, temos ônibus, metrô e BRT. Nós vamos ter, pelo menos, 5 modais diferentes na cidade, o que permite uma conexão maior, com deslocamento mais rápido e mais confortável", disse. "No entanto, o passageiro de Salvador precisa mudar a sua cultura e entender que vai precisar fazer o transbordo. Vai pegar o ônibus, passar para o metrô, ir pro BRT, pegar outro ônibus complementar. Mas vai ser muito mais rápido. Os ajustes que estamos fazendo na linha é tirar linhas que não se justificam mais porque dá pra fazer isso em diferentes modais, pagando uma única tarifa. O passageiro ganha tempo", acredita.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas