Patrão se revolta com pedido de demissão e paga rescisão com 91 mil moedas de 1 centavo

em alta
30.03.2021, 08:23:24
Atualizado: 30.03.2021, 08:28:05
(Foto: Reprodução)

Patrão se revolta com pedido de demissão e paga rescisão com 91 mil moedas de 1 centavo

Em cima da pilha, ex-chefe ainda deixou uma mensagem: 'fod*-se'

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Andreas Flaten não estava mais feliz em seu trabalho, numa oficina mecânica em Fayetteville (EUA), e resolveu pedir demissão. A atitude provocou revolta em seu patrão, que começou a demorar para pagar o salário referente aos últimos 15 dias de trabalho -- o equivalente a US$ 915, ou R$ 5.145.

O mecânico, então, procurou o Departamento do Trabalho para apresentar queixa por calote em janeiro. Pressionado, o patrão cedeu e concorcou em quitar a pandência. Porém, em retaliação, ele pagou o último salário só com moedas de 1 centavo de dólar.

Ele despejou elas na entrada da casa de Andreas. Além disso, as sujou de graxa para marcar sua origem. Ao lado da pilha, ele deixou um envelope escrito "fod*-se".

Andreas precisou de um carrinho de mão para conseguir juntar as moedas e passou noites tentando tirar a graxa. Para ele, a atitude do ex-patrão foi uma tremenda "criancice".

Mecânico encheu um carrinho de mão com o pagamento (Foto: Reprodução)

"Se eu fiz as contas corretamente, são 91.500 moedas de 1 centavo, que devem chegar ao peso de cerca de 504 libras (228 quilos)", disse o americano à Fox 13 News.

"Vou levar horas e horas para limpar esse dinheiro para que possa até mesmo ser gasto. Definitivamente não é justo", completou o mecânico.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas