Pela metade do preço: economize na decoração com móveis de pallets

bazar
10.08.2018, 16:30:00
Atualizado: 10.08.2018, 16:55:48
(Foto: Renato Santana/CORREIO)

Pela metade do preço: economize na decoração com móveis de pallets

Peça pode ser encontrada até de graça e receber um tratamento para se transformar e renovar a casa

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Sabe quando você está em um mercado e tem uma “ilha de produtos” no meio de um corredor? Muito provavelmente, eles estarão em cima de pallets de madeira. “É uma estrutura que serve, originalmente, para ajudar no transporte de grandes cargas comerciais ou industriais”, explica a arquiteta Nara Borborema. E atenção: repaginá-los para os móveis de sua casa pode ser bem vantajoso: de acordo com a também arquiteta Amanda Dias, isso pode reduzir o custo de um móvel em até metade do preço, incluindo o gasto com o tratamento da madeira.

Foto: Renato Santana/CORREIO

(Foto: Renato Santana/CORREIO)

Comumente feito em pinus ou eucalipto, ambas árvores de reflorestamento não-nobres, a peça começou a ser usada para decorar casas e escritórios por conta de seu baixo custo e versatilidade. “Para mim, o principal motivo é o  custo-benefício e a sustentabilidade, além de ser bastante resistente”, diz Amanda.

Dono de uma empresa que produz móveis e cenografia em madeira, a ETC Cenografia e Stands, Rafael Xuxa conta que um pallet diminui a conta final caso a pessoa prefira construir um móvel com ele. “É uma madeira barata e fácil de manusear”, afirma o produtor.

Foto: Renato Santana/CORREIO

(Foto: Divulgação)

Cadastre seu e-mail e receba novidades de gastronomia, turismo, moda, beleza, tecnologia, bem-estar, pets, decoração e as melhores coisas de Salvador e da Bahia:

Redução de custos
A economia começa na hora de obter o material. Rafael afirma que é possível comprá-los por entre R$ 3 e R$ 100. O valor depende de onde e do quanto a peça foi usada. Alguns lugares chegam a doar para quem pede. Na Bahia Paletes, eles custam entre R$ 10 e R$ 20. A empresa, que fica em Castelo Branco, vende pallets usados e também faz as peças por encomenda.

Segundo Rafael, um banco de 1x1,20m  custa, em média, R$ 250. “Isso usando três pallets e incluindo o estofado”, pontua. E a criatividade é o limite. “Dá para produzir sofá, cama, armário, balcão, guarda-roupa... Tanto de forma rústica, como mais modernos”, explica Amanda. 

É possível pintar a peça com a paleta de cores do ambiente onde ela vai se encaixar ou desmontar o pallet para construir outras peças. 

Foto: Renato Santana/CORREIO

(Foto: Divulgação)

A opção por uma decoração mais barata foi o que levou a médica Mariana Rodamilans a apostar no objeto rústico. “Queria um sofá que tivesse flexibilidade para couber onde estou hoje e em qualquer outro apartamento. E que fosse barato. Por isso, o ideal era fazê-lo em três módulos. Cada pallet custou pouco mais de 100 reais”, lembra ela. Com o estofamento, o total ficou em cerca de R$ 2 mil.

“Pagamos um profissional para colocar rodinhas, que também fez o tratamento da madeira. Em uma loja sairia muito mais caro”, afirma a médica, que chegou a pesquisar sofás em lojas de estofados e encontrou móveis que custavam mais que o dobro. 

Tratamento
Pallets são feitos com madeiras menos nobres e, como são fabricados para tarefas de carga e descarga, não recebem muito tratamento. Por isso é importante tratá-los para usar na decoração. “Como é uma madeira mais porosa, é mais fácil dar cupim e outros insetos como o piolho-de-cobra”, informa Rafael. Por isso a importância de lixar e selar ou de envernizar. Ele conta que o processo é simples e que uma lixa de madeira número 120 já é suficiente. Depois, é bom aplicar uma seladora e, se quiser, envernizar. “Pode aplicar uma cor também, mas eu gosto mais dessa pegada rústica chique”, diz o produtor. O que ele chama de “rústico chique” é exatamente a madeira do pallet lixada e selada.

Foto: Renato Santana/CORREIO

(Foto: Divulgação)

Amanda também alerta para o momento da compra. Como os pallets são utilizados muitas vezes pelas empresas e nem sempre são armazenados adequadamente, é importante fazer um teste de resistência. “É simples: colocar peso sobre eles para ver se suportam, porque, às vezes, eles são deixados sob sol e chuva”, conta. “Outra coisa, se a madeira estiver escurecida ela pode estar podre”, completa.

Onde encontrar

Procure bastante
Apesar de ser relativamente fácil de encontrar, comprar não é tanto assim. Transportadoras, lojas de materiais de construção e grandes supermercados costumam usar até que estraguem.

Negocie 
Antes de bater na porta de transportadoras de cargas, ligue para ver a disponibilidade. Apuramos que costuma ter na BV Transportadora (71 3213-6717), a VTrans (71 3215-6122) e a Ajax (71 4141-4633). É possível negociar também na Ferreira Costa (Paralela), que costuma vender as peças a R$ 1. Na Tend Tudo (Caminho das Árvores e Nazaré) dá para
conseguir de graça, a depender do dia e do atendente.

Encomende
Na Bahia Paletes, a peça custa, em média, entre R$ 10 e R$ 20, a depender do tamanho. A empresa fica na Rua Regional s/n, 3ª Etapa da Colônia Lafayete Coutinho, em Castelo Branco. (Tel.: 3395-0761). A D’Cor Ateliê vende desde o pallet cru, sem tratamento (R$ 25), a móveis feitos com madeira (a partir de R$ 75). A loja funciona online (dcoratelie.com).

Foto: Renato Santana/CORREIO

(Foto: Renato Santana/CORREIO)

O rei dos pallets
Há cerca de dez anos, Rafael Xuxa começou a trabalhar com eventos. Antes de se tornar produtor, trabalhou como modelo, garçom, bartender, recepcionista e, depois de produzir uma banda de pagode na década de 2000, resolveu investir na carreira. Por causa do cabelo louro até a altura do ombro na juventude, ganhou o apelido de Xuxa, que leva até hoje. “Quando estou em montagem, ninguém me conhece por Rafael”, brinca.

Foto: Renato Santana/CORREIO
(Foto: Divulgação)

Aos poucos, foi assumindo tarefas de montagem de estandes em congressos e feiras. “Já participei de sorteio da Copa do Mundo, Festival de Verão e três edições do Afro Fashion Day”, conta. Como a maioria dos trabalhos é feita em madeira, ganhou outro apelido nessa carreira: o de “Rei dos Pallets”. Em abril de 2018 abriu sua própria empresa no mesmo ramo, a ETC Cenografia e Stands.

Com ela, Rafael e sua equipe montam cenografia usando pinus e pallets como principal material. “A gente também faz bancos, mesas, camas, tudo com pallet ou no mesmo estilo usando madeira”.

Siga o Bazar nas redes sociais e saiba das novidades de gastronomia, turismo, moda, beleza, decoração e pets:

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas