Pelo menos 56 presos fugiram do presídio de Alcaçuz em rebelião

brasil
26.01.2017, 07:10:00
Atualizado: 26.01.2017, 07:17:40

Pelo menos 56 presos fugiram do presídio de Alcaçuz em rebelião

A recontagem dos presos que aconteceu durante a operação de intervenção e retomada do controle realizada na terça

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Pelo menos 56 presos fugiram da Penitenciária Estadual de Alcaçuz, no Rio Grande do Norte, desde a rebelião que deixou 26 detentos mortos no sábado (14). A informação foi divulgada, ontem, pela Secretaria de Justiça e Cidadania do estado (Sejuc), após a recontagem dos presos que aconteceu durante a operação de intervenção e retomada do controle  realizada na  terça.

De acordo com a Sejuc, o número de fugas pode ser maior, uma vez que alguns presos não responderam à chamada e podem estar ausentes do presídio em razão de alvarás de soltura. Para confirmar as informações, a secretaria ainda vai cruzar os dados. Quatro detentos foram recapturados.

Muro de contêineres foi erguido em Alcaçuz para separar facções rivais (Foto: Magnus Nascimento/Estadão Conteúdo)

Ontem, presos começaram a tapar os buracos que foram feitos nos muros entre os pavilhões da unidade prisional durante a rebelião e que possibilitaram o encontro entre facções rivais. Pixações nos muros também foram apagadas. Para evitar novos conflitos entre membros do Primeiro Comando da Capital (PCC) e do  Sindicato do Crime RN, o governo estadual  vai desembolsar mais 

de R$ 794 mil com intervenções. Parte do recurso – R$ 166 mil – está sendo aplicada com a instalação provisória do muro de contêineres para separar os pavilhões. Posteriormente, serão gastos mais R$ 360 mil com a concretagem do perímetro externo da penitenciária, além de outros quase R$ 235 mil para construir o muro com blocos modulares de concreto para separação dos pavilhões.

Ainda por conta da situação de calamidade do sistema penitenciário no RN, o governo decidiu convocar policiais militares da reserva para executar atividades e serviços considerados imprescindíveis.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas