Petição online pede a soltura da médica Kátia Vargas

salvador
23.10.2013, 10:10:00

Petição online pede a soltura da médica Kátia Vargas

O documento já reúne 2.250 assinaturas, mas não contém detalhes sobre a acusação pela qual a médica foi presa.

Da Redação

Uma petição à favor da libertação da médica Kátia Vargas Leal Pereira, acusada pelo homicídio dos irmãos Emanuel e Emanuelle Gomes Dias, no dia 11 de outubro, em Ondina, foi criada na internet no último domingo (21).

 A petição que será encaminhada ao promotor Davi Gallo, defende a importância do documento, sob o argumento de que "uma colega médica está presa sem que seu direito constitucional em responder ao processo no qual figura como ré em liberdade esteja sendo observado"(sic).

Com o título "SOLTEM KATIA", a petição aberta ao público no site Avaaz.org já possui 2.250 assinaturas até às 10h desta quarta-feira (23), porém não especifica a acusação sob a qual a médica foi autuada.


Kátia Vargas deixou Hospital Aliança na quinta-feira em viatura da Polícia Civil (Foto: Jurimar Soares)

Na mensagem ao destinatário, o autor da petição escreveu: "Ilmo. Promotor David Gallo: Kátia Vargas é médica, tem residência e emprego fixos, é ré primária e não se constitui em risco à sociedade. Ela tem o direito assegurado pela Constituição em responder ao processo em liberdade".

A oftalmologista foi indiciada por duplo homicídio triplamente qualificado pelas mortes, e está presa no Conjunto Penal Feminino desde a quinta-feira (17). De acordo com a delegada Jussara Souza, titular da 7ª Delegacia, a médica dirigia em alta velocidade, o que provocou uma discussão com Emanuel, que chegou a bater com o capacete no capô do Sorento.

Leia também:
Missa de sétimo dia em homenagem a irmãos é realizada em Ondina
"Todos atendidos por ela só tinham elogios", diz Medrado sobre voluntariado de médica no Cidade da Luz
Polícia conclui inquérito e médica é indiciada por homicídios triplamente qualificados
Médica Kátia Vargas deixa Hospital Aliança em viatura da Polícia Civil
MP pede que perito avalie saúde de médica envolvida em acidente que matou irmãos
"Eu peço que ela reflita sobre o que ela fez", desabafa mãe de irmãos mortos em Ondina
"Eles eram muito ligados", diz tia de irmãos mortos em Ondina 
Médica envolvida em acidente que matou irmãos está sob custódia em hospital
Casal de irmãos morre ao bater contra poste em frente a hotel em Ondina

Em seguida, ainda de acordo com a delegada, Kátia saiu em perseguição à moto, o que acabou gerando um toque. Então, Emanuel perdeu o controle e terminou batendo direto no poste. Ele e irmã morreram na hora.

De acordo com testemunhas, a motocicleta havia sido fechada pelo Sorento na esquina da Rua do Escravo Miguel com a Avenida Oceânica, antes mesmo da primeira colisão. O lavador de carros Maurício França de Jesus assistiu à cena. Segundo ele, após a fechada, Emanuel e Kátia discutiram. “Ela fechou a moto, daí começaram a discutir. Ela deixou ele acelerar e depois bateu nele por trás. Depois ela saiu bambeando com o carro e bateu”, disse Maurício.

Sem se identificar, um taxista disse que ambos furaram o sinal em alta velocidade. “Ele bateu no capô do carro, na certa para dizer que ela estava errada, e ela acelerou. Pelo visto, ela perdeu o controle, pegou na moto e eles foram direto no poste”.

Funcionários do Ondina Apart Hotel, também pedindo anonimato, contaram que Kátia chegou a entrar na contramão depois que a moto bateu no poste. “Ela jogou o carro na contramão, ia bater com outro carro, então fez a volta e jogou o carro em cima da calçada”, contou um funcionário. Segundo ele, a médica frequentava uma academia no apart.

Emanuel trabalhava como modelo, assim como a irmã, que também cursava Direito. A missa do sétima dia da morte deles foi foi realizada no final da tarde deste domingo (20) na Igreja da Ressurreição, em Ondina.

O aposentado Antônio Tabajara, 72 anos, que costuma sentar diariamente em frente ao portão onde Kátia bateu, disse que escapou por pouco. “Eu ouvi a pancada, mas não tive perna para levantar. Por pouco, não fui atingido”, contou. Segundo Tabajara, a médica saiu do carro andando e demonstrava estar muito nervosa.


Na missa, muitos usavam camisas com imagens dos irmãos que morreram

O inquérito aberto pela 7ª Delegacia, Rio Vermelho, responsável pela investigação do caso, foi encaminhado para o Ministério Público na sexta-feira. O órgão tem até cinco dias para oferecer denuncia à Justiça - o promotor Davi Gallo já havia antecipado que Kátia irá responder por duplo homicídio.

***

Em tempos de desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informações nas quais você pode confiar. E para isso precisamos de uma equipe de colaboradores e jornalistas apurando os fatos e se dedicando a entregar conteúdo de qualidade e feito na Bahia. Já pensou que você além de se manter informado com conteúdo confiável, ainda pode apoiar o que é produzido pelo jornalismo profissional baiano? E melhor, custa muito pouco. Assine o jornal.


Relacionadas