PMs presos vendiam arma por R$ 5.300 e ainda debochavam: 'choro é livre'

salvador
26.01.2022, 11:58:00
(Reprodução)

PMs presos vendiam arma por R$ 5.300 e ainda debochavam: 'choro é livre'

Três soldados da Polícia Militar foram presos em flagrante em Salvador

Os três policiais militares presos vendendo uma submetralhadora nesta terça-feira (25) no bairro do Barbalho, anunciavam a arma em grupos de aplicativo. No anúncio havia também o deboche: "Apenas R$ 5.300 o choro é livre". A audácia era tamanha que a divulgação constava a garantia da eficiência do produto": "testado e aprovado".
 
Os três PMs são soldados que trabalham na 2ª Companhia Independente (Barbalho) e foram presos em flagrante por policiais da Operação Apolo. A arma posta à venda é uma metralhadora 9 milímetros de fabricação artesanal. No anúncio, compartilhado em grupos de policiais, além da "macaquinha", como é também conhecido o armamento no meio policial, o comprador leva um seletor de rajada e um carregador. 

Tráfico
De acordo com fontes da Secretaria de Segurança Pública (SSP), a submetralhadora tinha sido negociada para um homem, suspeito de envolvimento com o tráfico de drogas. Os três soldados teriam  ingressado na corporação em 2018 e estariam em estágio probatório -  é o período que visa aferir se o servidor público possui aptidão e capacidade para o desempenho do cargo de provimento efetivo no qual ingressou por força de concurso público.

A reportagem procurou o Comando da Polícia Militar para saber se realmente procede a informação de que a arma foi negociada com um traficante e se ele também foi preso. Na oportunidade foi perguntado também se os soldados autuados em flagrante estão em estágio probatório e se eles também venderam outras armas.    

Em resposta aos questionamentos, a PM enviou o seguinte posicionamento: "Os presos nesta ocorrência foram apenas três policiais militares. Informamos que os demais questionamentos serão elucidados ao longo do processo investigativo".

Prisão
Ainda de acordo com fontes da SSP,  a  prisão dos três soldados aconteceu  por volta das 17h30, nas imediações do Forte do Barbalho.  Depois de monitoramento de postagem em grupo de WhatsApp negociando venda de arma de fogo, a guarnição da 2ª CIPM/Barbalho, composta por três policias militares, foi presa em flagrante quando fazia entrega da venda ilegal de armamento (submetralhadora de produção artesanal) no local acertado. 

No momento da prisão, um dos PM estava com o armamento em seu veículo particular, quando, depois de abordado,  confessou a posse e destino da arma e munições que estavam em seu poder.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas