Polícia instaura inquérito para apurar denúncias de intolerância religiosa no BBB

em alta
11.02.2021, 14:42:00
(Reprodução)

Polícia instaura inquérito para apurar denúncias de intolerância religiosa no BBB

Conversa de Nego Di, Karol, Lumena e Projota foi alvo de críticas

A Delegacia de Crimes Raciais e Delitos de Intolerância (Decradi) instaurou inquérito para apurar a denúncia de intolerância religiosa contra Nego Di, Projota, Karol Conká e Lumena, do BBB21. O deputado estadual Átila Nunes (MDB-RJ) foi quem fez a denúncia.

A assessoria de imprensa da Polícia Civil do Rio diz que imagens do reality show da Globo serão solicitadas para análise no inquérito. 

Na cena questionada, os participantes estavam relembrando uma conversa que Lumena teve com Lucas Penteado, que desistiu do reality no último domingo. Nego Di começa a imitar o brother. "Eu xangôzei", diz, fazendo trocadilho com o orixá Xangô. "Cheguei a xangôzar no quarto, vei. Ave maria", acrecentou. Todos riram e o tom de ironia permeou a conversa.

Karol diz: "Você falando é muito engraçado. 'Eu chamei Xangô, véi", diz, imitando o jeito de falar de Lumena. “Eu xangozei. Eu estou pelo certo com meu orixá, você está pelo errado. Ele está te abandonando”, diz a baiana, fazendo referência a Lucas.

A cena gerou críticas nas redes sociais. Lumena, que é de religiosa de matriz africana, participou da brincadeira e foi criticada.  “Eu desejo que Xangô de a resposta certa a cada um deles, me admira Lumena, uma mulher de candomblé iniciada pra Oxossi compactuar com isso!”, escreveu um internauta. "Eu não quero nem imaginar o que vai sentir Lumena quando Xangô decidir cobrar ela por tudo isso. O machado é pesado amiga... Não vai ser fácil não", comentou outro.

Mãe de santo se pronuncia
A mãe de santo do terreiro frequentado pela baiana Lumena se pronunciou falando das posturas e comentários da psicóloga dentro da casa.

Em um longo texto, Etemy Ogorensi Aline, sacerdotisa do Terreiro Roça do Vagedo, diz que Lumena tem apenas um ano de iniciação no candomblé, e que tem muito a aprender. Ela destacou que Lumena foi vítima de episódios de racismo no passado e que vivia um processo de mudança no terreiro.

“Quando chegou em nossa casa, já sofria ataques racistas, logo já veio com muitas marcas, marcas essa que após sua feitura estamos desconstruindo”

Segundo Etemy, como mãe de santo, ela precisa ter paciência com a filha. Ela ressalta que discorda da atitude de Lumena, mas que não deixará de apoiar a baiana.

“Eu não concordo com (o) que ela falou ontem, eu assisti, mas por uma questão de ética como mãe de Santo eu não posso virar as costas para um filho, eu só posso torcer para que ela saia, e que eu possa mostrar a ela tudo que ela cometeu de erro”.

Mãe de Santo de Lumena utilizou o perfil do Terreiro no Facebook para comentar a situação da filha


A líder do terreiro pediu paciência e ressaltou que Lumena não está no programa como autoridade de representação da religião. “Ela não está no programa na condição de AUTORIDADE RELIGIOSA, nem tão pouco cumprido sua obrigação de VODUNCI, ela é uma participante de um programa”. Vodunci o título dado às pessoas recém-iniciadas no Candomblé

A mãe de santo disse que pretende conversar com Lumena, após a saída da psicóloga baiana no BBB 21, sobre a situação.

“Tenham certeza de  (que) eu terei essa conversa com ela, mas ao mesmo tempo peço paciência a todos se possível porque infelizmente, só tenho que esperar ela sair, para que possamos conversar com ela, e alinhar tudo que foi dito e feito dentro do programa”.

 A antropóloga Cicí  Andrade, também do terreiro Roça do Vagedo, afirmou que a casa vem sofrendo ataques racistas por conta da postura da baiana. "Lumena é vodunci do mesmo terreiro no qual sou abiã. Mãe Aline vem sofrendo ataques racistas, muitas pessoas têm aproveitado dos erros que Lumena tem cometido dentro do BBB para destilar ódio sobre nossa roça/ axé. Cada pessoa é um Orí, culpabilizar a roça inteira é um equívoco."

***

Em tempos de desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informações nas quais você pode confiar. E para isso precisamos de uma equipe de colaboradores e jornalistas apurando os fatos e se dedicando a entregar conteúdo de qualidade e feito na Bahia. Já pensou que você além de se manter informado com conteúdo confiável, ainda pode apoiar o que é produzido pelo jornalismo profissional baiano? E melhor, custa muito pouco. Assine o jornal.


Relacionadas