Polícia prende três suspeitos por mortes em área quilombola

bahia
09.08.2017, 10:38:00
Atualizado: 09.08.2017, 11:29:54

Polícia prende três suspeitos por mortes em área quilombola

Seis homens foram mortos no Território Quilombola de Iúna, na zona rural de Lençóis; disputa por tráfico motivou mortes

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Três pessoas foram presas e outras duas são procuradas pela polícia por envolvimento na morte de seis moradores de uma área remanescente de quilombo  na zona rural de Lençóis, na Chapada Diamantina. O crime ocorreu na noite do último domingo (6), no Território Quilombola de Iúna, cujo processo de regularização fundiária foi iniciado em 2010 pelo Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra). A Polícia Civil informou nesta quarta-feira (9) que a chacina está relacionada com a disputa pelo controle da venda de drogas na região. 
 
As prisões foram efetuadas por policiais da 13ª Coordenadoria Regional de Polícia do Interior (Coorpin), de Seabra. Segundo as investigações, uma das vítimas, Gildásio Bispo das Neves, o Leixão, 51 anos, controlava o tráfico na localidade de Iúna, povoado quilombola, e era o principal alvo da ação criminosa.
 

Léo Careca é procurado pela polícia por ser o líder do grupo criminoso
Foto: Divulgação/Polícia Civil

As investigações indicam que Leixão foi executado, com outros cinco comparsas, por ordem de Léo Careca, por estar comercializando drogas para um rival de Léo, conhecido pelo apelido de Naninho, oriundo da região de Irecê.

Além de Leixão, foram mortos, por cinco homens usando máscaras e roupas pretas,  Adeilton Brito de Souza, o Boga, 22, Cosme do Rosário da Conceição, 49, Marcos Pereira da Silva, 31, Valdir Pereira Silva, 28, e um sexto homem ainda não identificado oficialmente pela Polícia Civil. No entanto, o nome da sexta vítima foi divulgado pelo Incra como sendo Amauri Pereira Silva.

Na operação, foram presos Indira Luanda Ferreira Barbosa, 44, conhecida como Indira Professora, Ana Paula Gomes Santos, a Ana Paula de Birau, 35, e Gilvan Santos de Jesus, 26.  O trio, segundo a Polícia Civil,  integra a quadrilha liderada pelo traficante Leonardo da Silva Moraes, o Leo Careca, 29, que está sendo procurado.
 

Ana Paula, Gilvan e Indira foram presos acusados de participação no crime
Foto: Divulgação/Polícia Civil

Outro integrante que estava sendo procurado é Alef da Silva Alves que, de acordo com as investigações, foi o responsável por levar os assassinos até o local do crime e depois dar fuga ao grupo. 

Alef é suspeito de envolvimento no crime
Foto: Divulgação/Polícia Civil

Na casa de Indira, que é responsável pela contabilidade da quadrilha, a polícia apreendeu pés de maconha e porções da droga já embaladas para venda. Ana Paula e Gilvan, que atuam como olheiros e vendem drogas, também estavam no local, em Tanquinho de Lençóis. Todos foram conduzidos à delegacia e autuados em flagrante por tráfico. Um inquérito foi instaurado e está em andamento para prender o restante da quadrilha.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas