Por respeito a Ruy Barbosa e à Bahia

artigo
28.09.2020, 21:26:37
Atualizado: 28.09.2020, 21:31:16

Por respeito a Ruy Barbosa e à Bahia


Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Direto ao ponto, começo com um desafio: se é verdade que a UniRuy não obstrui a Justiça, por que obstruiria a imprensa? Feito o desafio, uma sugestão de pauta às redações: uma bela reportagem sobre o precioso Museu Casa de Ruy Barbosa, ali instalado desde 1949, quando da comemoração do centenário do seu nascimento.

Constatar o exemplo de cuidado com um imóvel  edificado séculos atrás num sítio tombado pelo Iphan, testar a segurança de um museu onde estão obras raras; aprender uma lição sobre conservação de objetos, retratos em óleo sobre tela, livros, móveis e utensílios do ilustre jornalista, jurista e político baiano; constatar em livro de presença, o fluxo de visitantes; apurar quantos eventos foram ali promovidos; saber das pesquisas e trabalhos acadêmicos produzidos a partir do que ali se encontra guardado; ouvir funcionários bem preparados e conhecedores do acervo da Casa e da vida e obra de Ruy...

Sem reparo desde 2015, quando foram identificados problemas de infiltração, o imóvel passa por um processo judicial que envolve perícia técnica para qualificar os danos

Foto: Marina Silva/Arquivo CORREIO

Se a UniRuy não obstrui a Justiça, porque obstruiria a Associação Bahiana de Imprensa, que recebeu o imóvel doado por Ernesto Simões Filho, em 1935, e doações de acervo pela sociedade baiana, para composição do Museu Casa de Ruy Barbosa, em 1949?

Se a UniRuy não obstrui a Justiça, porque razão haveria de obstruir a visita de um técnico do Iphan cumprindo seu dever de fiscalizar a conservação de imóveis históricos em áreas tombadas?

Mais do que perguntas retóricas, as provocações visam, com o perdão da redundância, provocar mesmo o brio de colegas jornalistas e até mesmo um sentimento algo bairrista numa terra tradicionalmente aberta a quem vem de fora, desde antes de 1808. E serve também aos operadores do Direito, aos estudantes da área, aos decanos, como o respeitável Dr. Calmon Teixeira e mesmo aos membros do Tribunal de Justiça, que guardam, emprestadas, algumas peças do acervo doado à ABI e que pertencem, em primeira e última análise, à Bahia.

O que pensa de nós, baianos, essa empresa estrangeira em flagrante desdém contra nossa história e memória? Nunca fomos xenófobos, mas sempre fomos altivos e insubmissos. Qual a razão de tanto desvalor por parte de uma instituição de ensino superior, batizada pelo seu fundador, o educador baiano Antônio de Pádua Carneiro, com o nome de Ruy? Acaso fiou-se no estereótipo falso e preconceituoso da Bahia indolente? Aqui chegou e não se deu ao trabalho de conhecer a história dos Malês? Dos tupiniquins, imborés, mongoiós e tapuias? Não soube dos Alfaiates e não conheceu o 2 de Julho? Desconhece o 16 de Maio de 2001? Não ouviu falar da Revolta do Buzu?

A UniRuy confundiu as coisas e desconsiderou a forma cordata, colaborativa e tolerante como sempre foi tratada pela ABI que lhe renovou um crédito de confiança ao ver os primeiros sinais de desleixo, em 2015. Sequer fechou a porta da Casa, depois de roubada, em 2018. Um museu não se protege com trancas. Ao contrário! A forma mais adequada de proteger a Casa de Ruy era preenche-la de vida, de visitantes, de atividades culturais e acadêmicas, para além de visitação sempre desejada por qualquer instituição que mereça ser chamada de “museu”. 

A resposta à lhaneza marcante do caráter nosso ex-presidente Walter Pinheiro foi um ofício seco, comunicando o desinteresse em continuar como responsável pela gestão da Casa de Ruy Barbosa. Talvez com a pretensão de desincumbir-se das responsabilidades pela situação atual, gritantemente diversa da encontrada em 2011, quando o grupo norte-americano comprou a faculdade criada por Pádua e decidiu manter o convênio, até então muito bem sucedido. Confundiram civilidade com passividade.

Esperamos comemorar o Dia Nacional da Cultura, 5 de novembro, aniversário de Ruy, na casa onde ele nasceu – em nossa Casa. E sim, reafirmamos nossa absoluta e irrestrita boa vontade e disposição para entendimento a nos conduzir a bom termo que restaure imóvel e acervo.

Mas, como manda a boa tradição baiana, sabemos bem como tratar quem abusa da nossa reconhecida hospitalidade para desonrar a nossa casa, deixando suja a sala encontrada limpa e arrumada. Diante da recusa ao diálogo, recorremos à Justiça, confiando no Direito que destacou o jornalista Ruy Barbosa entre os maiores juristas da história. Mas não será desencorajado quem por acaso pensar num ebó. Que ninguém se engane: estamos na Bahia. A despeito de todas as nossas mazelas, aqui a gente se ama e se respeita.

*Ernesto Marques é jornalista e presidente da Associação Bahiana de Imprensa (ABI)

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas