Posse do novo ministro da Educação é adiada após denúncias

brasil
29.06.2020, 13:57:00
Atualizado: 29.06.2020, 14:25:46

Posse do novo ministro da Educação é adiada após denúncias

Carlos Alberto Decotelli fraudou currículo e é acusado de plágio em dissertação

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

A posse do novo ministro da Educação, Carlos Alberto Decotelli, foi adiada desta terça-feira (30) para data ainda não definida. A informação é do colunista Lauro Jardim, de O Globo.

A decisão de adiar vem depois de polêmicas envolvendo o novo ministro e sua formação acadêmica. Depois da indicação, veio à tona que Decotelli fraudou o currículo, incluindo um doutorado que não foi concluído, na Argentina, e um pós-doutorado na Alemanha que não chegou a ser feito.

Decotelli também foi acusado de plagiar trechos do seu trabalho de conclusão do mestrado. A Fundação Getúlio Vargas (FGV) anunciou no sábado que vai "apurar os fatos referentes à denúncia de plágio na dissertação do ministro Carlos Alberto Decotelli". A suspeita é que o novo ministro da Educação tenha cometido plágio no trabalho apresentado em 2008 para a conclusão de um mestrado em Administração na instituição. 

Em nota, a FGV afirma que o orientador da dissertação foi procurado e que, caso seja confirmado um "procedimento inadequado", serão tomadas medidas administrativas e judiciais contra o novo ministro.

O Ministério Público junto ao Tribunal de Contas da União (TCU) entrou com uma representação para que o órgão adote medidas para apurar possíveis prejuízos ao erário decorrentes da nomeação do novo ministro. O subprocurador-geral Lucas Rocha Furtado diz que "pairam suspeitas" sobre Decotelli.  O MP cita a teoria dos motivos determinantes que orientaram a escolha do seu nome pelo presidente da República e que uma eventual invalidade do ato de nomeação do novo ministro da Educação resultaria na necessidade de ressarcimento aos cofres públicos de despesas incorridas.

Depois que tudo foi divulgado, o presidente Jair Bolsonaro exigiu uma rechecagem no currículo do novo ministro. Caberá à Abin fazer um "pente fino" no histórico de Decotelli, para tentar descobrir se há algo mais a se saber sobre ele.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas