Pré-Carnaval de Salvador já teve Lavagem do Porto da Barra

clarissa pacheco
17.05.2020, 05:00:00

Pré-Carnaval de Salvador já teve Lavagem do Porto da Barra

Em 1989, trio elétrico com Jorge Zárath animou milhares de pessoas na praia do Porto
Lavagem do Porto da Barra de 1989: dia 2 de fevereiro teve trio elétrico com Jorge Zárath e praia lotada
(Foto: Francisco Galvão/Arquivo CORREIO)

Aglomeração, agora, só mesmo na lembrança - e que lembrança: olha a situação do Porto da Barra no dia 2 de fevereiro de 1989. Não era festa de Iemanjá, era mesmo um aquecimento para o Carnaval daquele ano, que chegaria logo: naquele ano, o feriado foi no dia 7 de fevereiro, mas a festa começou naquela quinta-feira mesmo, dia 2.

O sol de fevereiro não decepcionou e a areia da praia urbana mais cobiçada de Salvador foi tomada por gente, cerveja e animação. Não sobrou lugar nem na balaustrada, sequer na escadaria próxima ao Instituto Mauá.

Esta, conta matéria publicada pelo CORREIO na época, era a terceira edição do que ficou conhecido como Lavagem do Porto da Barra. Milhares de pessoas, inclusive turistas, se renderam à dança do Crocodilo, comandados pela música do cantor Jorge Zárath. 

A imagem registrada pelo fotógrafo Francisco Galvão foi publicada na capa do jornal no dia 3 de fevereiro de 1989, com um texto curto:

"Debaixo de muito sol, cerveja e animação, os foliões caíram na dança do Crocodilo, na Terceira Lavagem do Porto da Barra. A festa pré-carnavalesca teve a adesão de milhares de pessoas, inclusive centenas de turistas, que não resistiram ao som do trio elétrico sob o comando do cantor Jorge Zárath. Tudo com total descontração", dizia o texto.

A Lavagem do Porto da Barra foi tema de uma das edições da coluna Baianidades, do CORREIO. No texto, o jornalista André Uzêda conta que a empreitada foi criação de um grupo de jovens inspirados pela Lavagem do Bonfim - mas sem a parte religiosa. Com o passar do tempo, o ponto alto da festa passou a ser um jato d'água jogado por um caminhão nos foliões.

A festa começou a morrer, ao que parece, em 1997. Conta André Uzêda que a edição daquele ano foi organizada pelo bloco Bróder, mas um problema no trio impediu que a festa acontecesse de fato. 

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas