Prefeito critica aglomeração no Arenoso e manda fechar casa de show na Ribeira

salvador
19.10.2020, 14:36:00
Atualizado: 19.10.2020, 17:27:51
ACM Neto falou sobre o assunto durante entrega de geomanta (Foto: Divulgação)

Prefeito critica aglomeração no Arenoso e manda fechar casa de show na Ribeira

Multidões ignoraram a pandemia e se acotovelaram em eventos no fim de semana

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

A festa paredão que reuniu uma multidão no bairro do Arenoso, em Salvador, na noite de sábado (17) para domingo (18) ainda está dando o que falar. Nesta segunda-feira (19), o prefeito ACM Neto criticou o comportamento das pessoas que participaram da aglomeração, e contou que mandou interditar uma casa de show que também reuniu centenas de pessoas em uma festa nesse fim de semana.

O prefeito comentou o caso durante a entrega de uma geomanta, nas proximidades do Dique do Tororó, nesta segunda. Em Salvador, por conta da pandemia, um decreto municipal proíbe grandes aglomerações, e permite apenas eventos que tiverem no máximo 100 pessoas. Na festa do Arenoso havia, segundo a Secretaria de Segurança Pública, cerca de 3 mil foliões.

“Vejam, na última sexta-feira, eu anunciei uma série de flexibilizações. A gente tem conseguido manter esse ritmo de retomada, agora, não dá para ser o ‘liberou geral’. Não dá para achar que não tem pandemia. É claro que uma cena como essa do Arenoso ou como da Ribeira, duas situações distintas - na Ribeira, evento fechado, no Arenoso, praça pública, rua toda tomada – mas não dá. Esse tipo de coisa só faz aumentar o risco [de contaminação]”, afirmou ACM Neto.

Multidão se aglomerada nas ruas do Arenoso (Foto: Reprodução/ SSP)

Ele contou que foi informado que um caso similar ao do Arenoso aconteceu na Ribeira, em uma casa de show. O gestor não divulgou o nome do estabelecimento, mas disse que recebeu as imagens e que determinou que a Secretaria Municipal de Desenvolvimento e Urbanismo (Sedur) faça a interdição do local.

“Eu quero chamar a atenção para o que está acontecendo no mundo interiro, e vocês que são da imprensa estão vendo e noticiando. Só que parece que alguns não enxergam. Tivemos aquele problema lamentável no final de semana no Arenoso, o paredão que reuniu milhares de pessoas. Eu recebi nas minhas redes sociais, hoje cedo, o vídeo de um evento que aconteceu na Ribeira. Eu já mandei para o secretário Sérgio Guanabara e pedi que ele interditasse aquela casa”, disse.

Neto afirmou que esses foram casos pontuais, e que os órgãos de controle da Prefeitura continuarão acompanhado e punindo quem desrespeitar o decreto. Justamente nesse fim de semana, o número de leitos clínicos infantis para covid-19 atingiu 100% de ocupação. A Secretaria Municipal de Saúde prometeu abrir novos leitos, mas pediu a colaboração dos soteropolitanos para que evitem o risco de contágio.

Aglomeração
Nas imagens da festa de paredão do Arenoso é possível ver centenas de pessoas se apertando na multidão, sem máscara ou qualquer outro tipo de proteção contra a contaminação do novo coronavírus.

Segundo o Ministério da Saúde, a maneira mais eficiente de se proteger da doença é usando máscara, higienizando as mãos com frequência, mantendo o distanciamento de 1 metro de outras pessoas em locais públicos, e não compartilhando objetos de uso pessoal, como copos e talheres. Todas essas regras foram ignoradas pela multidão.

O paredão também foi motivo de comentários entre outros soteropolitanos. Para a estudante Aline Assis, 26 anos, o novo coronavírus pôs em teste a medicina e a população.

“Eu entendo que está todo mundo de saco cheio de ficar em casa, mas não justifica essa falta de cuidado com o próximo. Muitos ali têm parentes idosos ou com doenças crônicas em casa, e essas pessoas são do grupo de risco. Então, eles não estão nem aí para os familiares. Isso diz muito sobre o caráter dessas pessoas. Eu fiquei chocada com as imagens”, contou.

O eletricista Raimundo Silva, 48, classificou o comportamento da multidão como irresponsável, mas disse que entende. “A grande maioria são jovens, não pensam no futuro. Acham que nunca vai acontecer com eles. É triste”, disse.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas