Prefeitura de Retirolândia, no nordeste baiano, proíbe festa do tipo paredão

bahia
06.10.2021, 20:00:00
Imagem Ilustrativa (Divulgação/PMFS)

Prefeitura de Retirolândia, no nordeste baiano, proíbe festa do tipo paredão

Decisão ocorre dois dias após morte de PM em evento na zona rural; o caso, no entanto, não é citado no decreto

A Prefeitura de Retirolândia, no nordeste da Bahia, publicou nesta terça-feira (5) um decreto proibindo a realização de eventos com a utilização de sons automotivos e paredões em todo o município. 
 
Publicado no Diário Oficial do Município, a decisão considera “que a poluição abrange a degradação da qualidade ambiental resultante de atividades que direta e indiretamente prejudicam a saúde, a segurança e o bem estar da população”, além disso, afirma que “os eventos realizados utilizando sons automotivos e paredões vêm causando prejuízos sociais e econômicos para a população e para o município de Retirolândia.”
 
A determinação ocorre dois dias após a morte de um soldado da Polícia Militar que foi baleado enquanto participava de uma festa de motociclistas em um povoado na zona rural. O caso, no entanto, não é citado no decreto municipal.
 
Morto a tiros
O policial Gilson Rodrigues Pereira estava de folga na noite do domingo (3) quando foi atingido por tiros disparados por dois homens durante o evento em Bela Vista.

Socorrido para o Hospital Municipal de Serrinha, ele acabou morrendo. Em nota, a PM lamentou a morte e disse que uma equipe do 16º Batalhão foi ao local, mas não encontrou os suspeitos.

Segundo o 16º Batalhão, onde Gilson era lotado, o soldado tinha 13 anos na corporação. Ele deixou esposa e dois filhos crianças.

***

Em tempos de desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informações nas quais você pode confiar. E para isso precisamos de uma equipe de colaboradores e jornalistas apurando os fatos e se dedicando a entregar conteúdo de qualidade e feito na Bahia. Já pensou que você além de se manter informado com conteúdo confiável, ainda pode apoiar o que é produzido pelo jornalismo profissional baiano? E melhor, custa muito pouco. Assine o jornal.


Relacionadas