Presidente em exercício, Luiz Henrique comenta declarações de PC, caso Pedrinho e situação do Vitória: 'Vive numa roda gigante e não chegamos a lugar nenhum'

e.c. vitória
09.09.2021, 16:54:00
Atualizado: 09.09.2021, 20:34:06
Luiz Henrique, presidente em exercício do Vitória (Letícia Martins/EC Vitória)

Presidente em exercício, Luiz Henrique comenta declarações de PC, caso Pedrinho e situação do Vitória: 'Vive numa roda gigante e não chegamos a lugar nenhum'

Em meio à crise política do clube, dirigente concede entrevista exclusiva após herdar cargo de Paulo Carneiro

Pouco conhecido da torcida e com aparições bastante discretas ao longo dos últimos meses, Luiz Henrique é o atual presidente em exercício do Vitória. Após o afastamento de Paulo Carneiro, por 60 dias inicialmente, ele deixou o posto de vice-presidente e assumiu o cargo.  

Paulo Carneiro foi afastado no último dia 2, quando o Conselho Deliberativo aprovou o parecer da Comissão de Ética que recomendava o afastamento do dirigente, motivado por indícios de gestão temerária.

A chapa formada por Paulo Carneiro e Luiz Henrique foi eleita em 24 de abril de 2019 e tem mandato até o final de 2022. Inicialmente, o principal dirigente tinha o amparo maciço de lideranças do clube, mas se isolou politicamente ao longo dos últimos meses em meio a uma longa crise técnica e financeira.

Luiz Henrique assumiu o Vitória em meio a essa grave crise fora e dentro de campo. Pelo terceiro ano consecutivo, o rubro-negro luta contra o rebaixamento na Série B - é o 17º colocado, com 23 pontos. Confira a entrevista a seguir:

Você seguirá na presidência do Vitória até o final do mandato caso seja decidida a destituição de Paulo Carneiro?

O clube não sofrerá nenhuma solução de descontinuidade. O projeto do clube está sendo tocado. Vamos aguardar a criação da nova comissão. Deveríamos nos unir para discutirmos projetos com visão a curto, médio e longo prazo, discutirmos regramentos, competências e responsabilidades para darmos segurança e estabilidade às administrações do clube, enfim, projetarmos o clube para daqui a 10 anos, independentemente das pessoas que estejam à frente. Não discuto nomes e sim projetos.

Paulo Carneiro disse recentemente que, apesar de estar afastado, ele não se afastou de verdade e que continua, por exemplo, negociando bicho com jogadores. Ele está de fato em atuação ainda?

Quando ele afirmou isso, ainda não tinha sido notificado. Após a notificação, ele está afastado.  Nesse momento, assumi todas as funções ligadas à presidência.

Após o afastamento, Paulo Carneiro gravou áudio questionando a decisão do Conselho Deliberativo de manter você no clube por ser vice na gestão dele. O que achou disso?

Independentemente do entendimento pessoal de Paulo Carneiro, o próprio presidente do Conselho Deliberativo, em ofício a mim encaminhado, deixou claro que as investigações eram em torno dos atos praticados pelo presidente isoladamente.

Você tinha conhecimento do adiantamento de remunerações que, segundo relatório da Comissão de Ética, Paulo Carneiro fez durante a pandemia?

Como afirmei anteriormente, os atos a serem investigados dizem respeito aos atos praticados pelo presidente. Como existe uma comissão em curso para investigação desses fatos, prefiro não me manifestar. O que tive de conhecimento ou não, expressarei à comissão.

O Vitória ainda vai contratar jogadores para o restante da Série B ou não há verba para isso? Com a saída de Pedrinho, vai contratar outro lateral esquerdo?

Estamos avaliando alguns nomes e caso concretize a contratação, será divulgada nos meios oficiais do clube. 

Pedrinho já se transferiu para o Athletico-PR e não retornou por empréstimo, ao contrário do que o Vitória informou ter acordado inicialmente. O que houve? O Vitória já recebeu algum valor referente à transação?

A discussão do Pedrinho está com jurídico do clube e se encontra na CNRD (Câmara Nacional de Resolução de Disputas, órgão da CBF).

Como você enxerga o momento político do Vitória?  

O momento requer prudência e serenidade. Sei o quanto está sendo difícil para o clube viver com essa instabilidade administrativa. O clube vive numa roda gigante onde rodamos, rodamos e não chegamos a lugar nenhum. Ainda estou refletindo sobre toda situação do clube e estou conversando com algumas lideranças para tomar a decisão final em relação à minha posição.

Qual é o seu principal desafio nesse período de 60 dias?

Nosso papel agora é dar confiança ao elenco que aí está e deixo claro que confio 100% no trabalho realizado pelo treinador Wagner Lopes. Precisamos destacar que o treinador trouxe novos ares ao clube, que está invicto desde a sua chegada e, dos últimos nove pontos disputados, ganhou sete. Então, nosso desafio passa pelo campo.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas