Professor da Ufba, pai elogia Vladimir Brichta por ambientalista de novela

em alta
15.01.2020, 11:48:00
Vladimir Brichta e Arno (Reprodução)

Professor da Ufba, pai elogia Vladimir Brichta por ambientalista de novela

Arno Brichta serviu de inspiração e diz que filho faz "grande trabalho"

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

O ator Vladimir Brichta contou que a experiência de viver o biólogo ativista ambiental Davi em "Amor de Mãe" tem sido ótima. Nos bastidores do Altas Horas, ele contou que desde pequeno aprendeu com o pai a respeitar e cuidar do meio ambiente. O pai de Vladimir é o professor da Universidade Federal da Bahia (Ufba) Arno Brichta.

O pai, que é geólogo, e o irmão, que é biólogo, serviram de inspiração para o papel. "Estou apaixonado, toda vez que me perguntam sobre o personagem, falo que ele é o máximo! Estou me doando com bastante afinco, e tenho algumas inspirações dentro de casa para fazer esse personagem. O meu irmão, que é biólogo, e meu pai, que é geólogo. Espero não decepcioná-los fazendo esse personagem", afirmou o ator ao GShow.

Ao lado do filho, Arno, que esteve na plateia do Altas Horas, elogiou Vladimir. "Ele está fazendo um grande trabalho. Nesse caso, mais especificamente, uma interpretação de um papel fundamental em termos de lição e de estímulo para que as pessoas sejam mais respeitosas com o meio ambiente", afirmou. 

(Foto: Divulgação)

O ator contou que o pai sempre ensinou a importância do meio ambiente. "Aprendi com o meu pai que o planeta não ia acabar, quem está em risco somos nós. Amar o planeta significa amar nós mesmos. Um gesto de amor ao próximo também é de amor a natureza. Tratar bem a natureza é preservar a gente mesmo", diz.

No Altas Horas, Vladimir contou que se chama Paulo Vladimir em homenagem a Paulo Freire e Vladimir Herzog. Ele nasceu em 1975, ano da morte do jornalista. 

Arno confirmou as homenagens. Ele contou que conheceu Paulo Freire e que, como Herzog, também foi preso na ditadura militar. "Um dos motivos foi falar o que eu penso. Mas também por defender certos princípios que envolvem inclusive temas como defesa do meio ambiente, respeito ao próximo, direito de expressão, de ser professor”, explicou ao falar da prisão.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas