Protagonismo do plástico no saneamento

artigo
02.03.2021, 05:29:00

 Protagonismo do plástico no saneamento


Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), a cada R$ 1 gasto em saneamento básico, R$ 4 são poupados na área da saúde, reforçando a estreita relação entre o acesso aos sistemas sanitários e qualidade de vida, o que leva a reflexão se investir no setor seria uma das formas mais sustentáveis de garantir o direito essencial à saúde?


Segundo o Instituto Trata Brasil, dados do Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento (SNIS/2018) indicam que 35 milhões de pessoas não possuem água encanada em suas casas, 53% não contam com rede de esgotos e, dos despejos que são coletados, 46% não passam por tratamento antes de alcançar praias, rios e lençóis freáticos. Além disso, quase 40% da água que é tratada é desperdiçada por falta de manutenção nas linhas de distribuição e fraudes ao sistema de abastecimento.


Com a aprovação do novo marco regulatório do saneamento, o Brasil segue caminho de avanços que extrapolam os benefícios à saúde, contribuindo com a redução das desigualdades sociais que ainda persistem, principalmente, em cidades mais afastadas dos grandes centros.


A expectativa é que o Brasil receba mais de R$ 700 bilhões em investimentos privados em obras, que permitirão que o país saia do déficit à universalização de acesso ao saneamento até 2033. Em paralelo, há a previsão de abertura de milhares de vagas de trabalho, dos canteiros de obras à operação das estações de tratamento e redes.


A presença do plástico, amplamente utilizado em sistemas de água, esgotos e em projetos de construção civil e infraestrutura, é muito importante e justificada por sua alta performance, extensa vida útil, segurança na manutenção das propriedades da água tratada e resistência contra vazamentos, dada à eficiente soldagem entre tubos e conexões. Um exemplo desse protagonismo é o PVC, que chega a ter 60% de participação nas obras de adução de água tratada, podendo superar os 75% nas linhas de distribuição de água e nas redes de esgoto.


Outra vantagem em se aplicar o plástico ao saneamento é a reciclabilidade do material. Passado seu período de utilização, ou em caso de troca das tubulações, essas resinas podem retornar à cadeia produtiva por meio da reciclagem, fechando o ciclo de consumo, fomentando a economia circular, tornando as opções mais sustentáveis e seguras ao meio ambiente.


Nesse novo passo de desenvolvimento, o Brasil demandará, de todos envolvidos, dos governantes às concessionárias, uma atuação mais voltada às pessoas, inovadora e ambientalmente responsável. Portanto, respondendo à questão inicial deste artigo, acreditamos que sim, investir na ampliação de acesso ao saneamento básico no Brasil seja uma das mais afortunadas estratégias para garantir o bem-estar de todos.


Almir Cotias é  diretor do Negócio de Vinílicos da Braskem

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas