Quatro ex-jogadores do Vitória cobram dívidas na Justiça

bate-pronto
03.06.2019, 05:00:00
Atualizado: 03.06.2019, 10:40:41

Quatro ex-jogadores do Vitória cobram dívidas na Justiça

Por Editoria de Esporte

Se as finanças do Vitória já não estão nada bem, a situação pode piorar nos próximos meses. Depois do Boca Juniors notificar o rubro-negro cobrando uma dívida de R$ 1,2 milhão referente ao empréstimo do atacante Walter Bou, que saiu do clube no início deste ano, outros quatro ex-jogadores foram para a Justiça do Trabalho cobrar valores do Leão. São eles o zagueiro Kanu, que atualmente está no Oeste e deixou a Toca em outubro do ano passado, o lateral Jeferson, que saiu após o Campeonato Baiano e acertou com o Vila Nova, e os volantes Willian Farias, hoje no São Paulo, e o argentino Marcelo Meli, atualmente no Belgrano – ambos saíram no início deste ano. Além deles, o técnico Paulo César Carpegiani, que comandou o rubro-negro no ano passado, também cobra cerca de R$ 1,3 milhão.

Jogadores afastados custam R$ 440 mil por mês ao Leão

Em áudio compartilhado por WhatsApp, o presidente do Vitória, Paulo Carneiro, lamentou o peso do time montado pela antiga diretoria na gestão do clube: “Encontramos um elenco equivocado. Temos uma folha paralela, de jogadores que não temos dinheiro para afastar, de R$ 440 mil (por mês)”, disse.

Ao assumir o clube, Carneiro achou dez jogadores afastados e tirou do elenco mais seis. No momento, oito ainda treinam em grupo separado na Toca do Leão: Edcarlos, Gabriel Silva, Thales (zagueiros), Marcelo Benítez (lateral-esquerdo), Leandro Vilela, Wesley Dias (volantes), Erick e Maurício Cordeiro (atacantes). Andrigo foi o último a encontrar seu destino: foi para o Figueirense.

Reunião para analisar contas rubro-negras

Ainda relacionado aos problemas financeiros do Vitória, o presidente do Conselho Deliberativo do clube, Fábio Mota, convocou uma reunião do órgão para o dia 10 de junho, a partir das 18h. Em pauta estará a análise das contas no exercício de 2018, na presidência de Ricardo David.

Camisa do Vitória estreia sem patrocínio

O torcedor mais atento do Vitória notou que, contra o Bragantino, na última sexta-feira (31), o time não estampou a marca da Casa de Apostas, empresa que anuncia na barra da camisa rubro-negra desde abril. O CORREIO entrou em contato com o clube, mas não obteve resposta. Vale lembrar, porém, que o duelo foi o de estreia da nova camisa, da Kappa, e pode não ter havido tempo hábil para aplicação da marca.

Vovô Mundico na comunicação

Após críticas da torcida, as redes sociais do Vitória têm novo gestor: assumiu Jayme Queiroz Neto, publicitário experiente na área. Ele foi o criador do antigo perfil Vovô Mundico, um "fake" do ex-presidente do clube Raimundo Viana, que tornou-se um sucesso na internet. As redes sociais estavam sem um profissional dedicado desde a demissão em massa realizada no setor loog após a chegada de Paulo Carneiro, no final de abril.

Irmão de Flávio deixa o Bahia

O volante Fernando Medeiros não faz mais parte do elenco do Bahia. O contrato foi encerrado no fim de maio e a diretoria tricolor optou por não renovar. Com 23 anos, Fernando, que é irmão gêmeo do volante Flávio, atuou em apenas duas partidas pelo Esquadrão no Campeonato Baiano. Em seu Instagram, o jogador se despediu do clube. “Queria dizer que foi uma honra jogar nesse gigante clube do Nordeste e de realizar os sonhos de jogar e conquistar título ao lado do meu irmão! Obrigado nação tricolor, nunca tinha visto algo igual a essa torcida que contagia do início ao fim”, escreveu.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas